Veja sete potenciais substitutos para Boris Johnson no Reino Unido

A renúncia de Boris Johnson, anunciada na última quinta-feira (7), abriu uma lacuna no Partido Conservador, que agora busca um novo primeiro-ministro. Alguns nomes conhecidos da política britânica já demonstraram desejo pelo cargo e se puseram à disposição, ainda que diante do burburinho causado pela saída do atual premiê. Veja sete políticos que podem assumir a função de Johnson em breveLiz Truss — a atual ministra das Relações Exteriores interrompeu uma viagem à Indonésia e está de volta ao Reino Unido, onde se espera que se apresente como candidata. Ela pertence à "ala dura" dos conservadores e é uma das favoritas de alguns membros do partidoBen Wallace — O ministro da Defesa, de 52 anos, está mais popular que nunca após a ajuda à Ucrânia devido à invasão russa. Embora sempre tenha negado interesse em assumir a liderança do Partido Conservador, os integrantes da formação o consideram uma pessoa franca e capaz. De acordo com uma pesquisa do instituto YouGov, realizada entre membros do Partido Conservador e publicada nesta quinta (7), Wallace, à frente do Ministério da Defesa desde 2019, venceria os rivais na disputa para a escolha de um novo líder do partido, que automaticamente vira o primeiro-ministroRishi Sunak — o ex-ministro das Finanças, que renunciou na terça-feira (5) alegando "diferenças fundamentais" com Johnson na abordagem da estratégia econômica para o país, é outro dos nomes que aparecem fortes para o cargo. Embora seu plano de evitar demissões durante os confinamentos lhe rendesse grande respeito no Gabinete, um escândalo sobre a gestão financeira de sua esposa prejudicou sua reputação e fez com que ele perdesse muita popularidadeNadhim Zahawi - chegou ao Reino Unido como refugiado iraquiano, liderou o bem-sucedido programa de vacinação contra a Covid-19. Não renunciou ao seu recente cargo de chefe da pasta das Finanças, no qual substituiu o demissionário Sunak, mas pediu a Johnson que renunciasse, depois de ter sido advertido de que sua proximidade com o premiê poderia estragar suas possíveis aspirações de sucedê-lo. Nas últimas horas, meios de comunicação influentes como o Telegraph promoveram sua candidaturaJeremy Hunt — o atual presidente da Comissão Parlamentar de Saúde e ex-ministro das Relações Exteriores vem afirmando há algum tempo que os conservadores estão em vias de perder as próximas eleições gerais se não optarem por uma mudança na liderança. Seu nome foi também fortemente considerado entre os representantes da "ala moderada" e da oposição a Johnson dentro do Partido ConservadorSteve Baker — deputado e vice-presidente do Grupo de Recuperação da Covid-19, este proeminente crítico de Johnson também se apresentou como opção de mudança nas declarações de hoje a vários meios de comunicação britânicosSajid Javid — assim como Sunak, Javid, ex-chefe da Saúde, renunciou ao cargo de ministro na última terça-feira e fez um discurso duro contra Johnson perante o Parlamento. Ele já aspirava liderar os conservadores em 2019, embora tenha ficado em quarto lugarPenny Mordaunt — uma das grandes defensoras do Brexit — desligamento do Reino Unido da União Europeia —, a ex-secretária de Estado das Forças Armadas é outra que há muito tempo aparece como uma possível candidata. Ela foi implacável com Johnson durante o escândalo da pandemia no gabinete do governo, que organizou festas quando eram proibidas reuniões desse tipo no país

Veja sete potenciais substitutos para Boris Johnson no Reino Unido

A renúncia de Boris Johnson, anunciada na última quinta-feira (7), abriu uma lacuna no Partido Conservador, que agora busca um novo primeiro-ministro. Alguns nomes conhecidos da política britânica já demonstraram desejo pelo cargo e se puseram à disposição, ainda que diante do burburinho causado pela saída do atual premiê. Veja sete políticos que podem assumir a função de Johnson em breve

Liz Truss  a atual ministra das Relações Exteriores interrompeu uma viagem à Indonésia e está de volta ao Reino Unido, onde se espera que se apresente como candidata. Ela pertence à "ala dura" dos conservadores e é uma das favoritas de alguns membros do partido

Ben Wallace  O ministro da Defesa, de 52 anos, está mais popular que nunca após a ajuda à Ucrânia devido à invasão russa. Embora sempre tenha negado interesse em assumir a liderança do Partido Conservador, os integrantes da formação o consideram uma pessoa franca e capaz. De acordo com uma pesquisa do instituto YouGov, realizada entre membros do Partido Conservador e publicada nesta quinta (7), Wallace, à frente do Ministério da Defesa desde 2019, venceria os rivais na disputa para a escolha de um novo líder do partido, que automaticamente vira o primeiro-ministro

Rishi Sunak  o ex-ministro das Finanças, que renunciou na terça-feira (5) alegando "diferenças fundamentais" com Johnson na abordagem da estratégia econômica para o país, é outro dos nomes que aparecem fortes para o cargo. Embora seu plano de evitar demissões durante os confinamentos lhe rendesse grande respeito no Gabinete, um escândalo sobre a gestão financeira de sua esposa prejudicou sua reputação e fez com que ele perdesse muita popularidade

Nadhim Zahawi - chegou ao Reino Unido como refugiado iraquiano, liderou o bem-sucedido programa de vacinação contra a Covid-19. Não renunciou ao seu recente cargo de chefe da pasta das Finanças, no qual substituiu o demissionário Sunak, mas pediu a Johnson que renunciasse, depois de ter sido advertido de que sua proximidade com o premiê poderia estragar suas possíveis aspirações de sucedê-lo. Nas últimas horas, meios de comunicação influentes como o Telegraph promoveram sua candidatura

Jeremy Hunt o atual presidente da Comissão Parlamentar de Saúde e ex-ministro das Relações Exteriores vem afirmando há algum tempo que os conservadores estão em vias de perder as próximas eleições gerais se não optarem por uma mudança na liderança. Seu nome foi também fortemente considerado entre os representantes da "ala moderada" e da oposição a Johnson dentro do Partido Conservador

Steve Baker  deputado e vice-presidente do Grupo de Recuperação da Covid-19, este proeminente crítico de Johnson também se apresentou como opção de mudança nas declarações de hoje a vários meios de comunicação britânicos

Sajid Javid  assim como Sunak, Javid, ex-chefe da Saúde, renunciou ao cargo de ministro na última terça-feira e fez um discurso duro contra Johnson perante o Parlamento. Ele já aspirava liderar os conservadores em 2019, embora tenha ficado em quarto lugar

Penny Mordaunt  uma das grandes defensoras do Brexit — desligamento do Reino Unido da União Europeia —, a ex-secretária de Estado das Forças Armadas é outra que há muito tempo aparece como uma possível candidata. Ela foi implacável com Johnson durante o escândalo da pandemia no gabinete do governo, que organizou festas quando eram proibidas reuniões desse tipo no país