Sobe para 45 o número de mortos após explosão de hotel em Cuba

Explosão no hotel Saratoga, em Havana, teria ocorrido por causa de um vazamento de gás Ernesto Mastrascusa/EFE O governo de Cuba informou, nesta sexta-feira (13), que o número de mortos pela explosão no hotel Saratoga, no centro da capital, Havana, chegou a 45 após a identificação do último corpo encontrado, encerrando-se assim os trabalhos de resgate. O número de feridos também foi atualizado – são 99, dos quais 15 estão internados e 39 receberam alta, segundo dados do Ministério de Saúde Pública da ilha. Todos os mortos pela explosão são cubanos – incluindo quatro menores e uma mulher grávida –, exceto uma jovem turista espanhola, cujas cinzas já foram repatriadas. Veja também Internacional Cuba tem 891 pessoas presas por causa dos protestos de 11 de julho, incluindo menores de idade Internacional Hotel que sofreu explosão em Cuba não estava aberto ao público Internacional EUA descartam convidar Cuba, Nicarágua e Venezuela para Cúpula das Américas O estabelecimento não estava aberto ao público no momento da explosão. Dentro do hotel, 51 trabalhadores realizavam os últimos preparativos para sua reabertura, prevista para 10 de maio. O governo cubano assegura que a causa da explosão foi um vazamento ocorrido quando um caminhão-tanque de gás liquefeito abastecia um tanque do estabelecimento. Por sua vez, o prefeito do município de Havana Vieja, Alexis Acosta, disse que, uma vez concluído o resgate, os prédios vizinhos serão recuperados. Pelo menos 17 edifícios, além do hotel, sofreram danos de vários tipos. Leia também Vacina intranasal de Cuba apresenta bons resultados em estudo Cuba aprova serviços de criptomoedas e exige licença do banco central "Passaremos a outras tarefas prioritárias de recuperação de imóveis, para as quais existe um calendário", explicou. O presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, decretou nesta quinta-feira (12) dois dias de luto oficial no país, segundo informou o jornal oficial Granma. O Saratoga foi construído em 1880 e, a partir de 1911, passou a funcionar como hotel. Sua última restauração ocorreu em 2005.

Sobe para 45 o número de mortos após explosão de hotel em Cuba
Explosão no hotel Saratoga, em Havana, teria ocorrido por causa de um vazamento de gás
Explosão no hotel Saratoga, em Havana, teria ocorrido por causa de um vazamento de gás Ernesto Mastrascusa/EFE

O governo de Cuba informou, nesta sexta-feira (13), que o número de mortos pela explosão no hotel Saratoga, no centro da capital, Havana, chegou a 45 após a identificação do último corpo encontrado, encerrando-se assim os trabalhos de resgate.

O número de feridos também foi atualizado – são 99, dos quais 15 estão internados e 39 receberam alta, segundo dados do Ministério de Saúde Pública da ilha.

Todos os mortos pela explosão são cubanos – incluindo quatro menores e uma mulher grávida –, exceto uma jovem turista espanhola, cujas cinzas já foram repatriadas.

O estabelecimento não estava aberto ao público no momento da explosão. Dentro do hotel, 51 trabalhadores realizavam os últimos preparativos para sua reabertura, prevista para 10 de maio.

O governo cubano assegura que a causa da explosão foi um vazamento ocorrido quando um caminhão-tanque de gás liquefeito abastecia um tanque do estabelecimento.

Por sua vez, o prefeito do município de Havana Vieja, Alexis Acosta, disse que, uma vez concluído o resgate, os prédios vizinhos serão recuperados. Pelo menos 17 edifícios, além do hotel, sofreram danos de vários tipos.

"Passaremos a outras tarefas prioritárias de recuperação de imóveis, para as quais existe um calendário", explicou.

O presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, decretou nesta quinta-feira (12) dois dias de luto oficial no país, segundo informou o jornal oficial Granma.

O Saratoga foi construído em 1880 e, a partir de 1911, passou a funcionar como hotel. Sua última restauração ocorreu em 2005.