Rússia segue lucrando com exportações de petróleo e gás apesar de sanções

Aumento nas exportações para a Ásia ajudou a compensar grande parte das perdas com queda na compra dos EUA e Europa Este conteúdo foi originalmente publicado em Rússia segue lucrando com exportações de petróleo e gás apesar de sanções no site CNN Brasil.

Rússia segue lucrando com exportações de petróleo e gás apesar de sanções

A Europa e os Estados Unidos proibiram a importação de petróleo russo para cortar uma fonte de receita crucial para o Kremlin. Mas o plano de causar dor ao presidente Vladimir Putin, forçando-o a reconsiderar sua guerra na Ucrânia, não funcionou.

A Rússia está ganhando tanto dinheiro com as exportações de energia quanto antes da invasão no final de fevereiro. Enquanto isso, a inflação está aumentando globalmente, aumentando a pressão política sobre líderes como o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson e o presidente francês Emmanuel Macron.

À medida que os líderes das principais economias se reúnem na Alemanha no domingo (26) para uma reunião do G7, eles tentarão chegar a um consenso sobre o que fazer a seguir. Infelizmente, no petróleo, poucas boas opções estão disponíveis.

Várias medidas estão sendo discutidas, desde tetos de preços para importações de energia russa, compras centralizadas pela União Europeia, proibições de seguros em navios e visando países que continuam comprando de Moscou.

Todos eles têm desvantagens, e alguns podem aumentar ainda mais os preços – arriscando o apoio popular à decisão do Ocidente de punir Putin.

“Existem ferramentas disponíveis para ir mais longe depois da Rússia, mas elas vêm com custos significativos diretamente para os consumidores nos Estados Unidos e na Europa”, disse Robert Johnston, pesquisador sênior adjunto do Columbia Center for Global Energy Policy.

A imposição de sanções a países que continuam a recolher grandes volumes de petróleo bruto russo, incluindo China e Índia, causaria estragos nos mercados globais que já estão sob forte pressão.

E embora a secretária do Tesouro Janet Yellen tenha dito recentemente que os Estados Unidos querem discutir um teto para o preço do petróleo russo, um mecanismo tão complexo pode não ser a solução que o Ocidente está procurando.

“Isso distorce o mercado em um momento em que o mercado certamente precisa funcionar bem e há muitas soluções alternativas”, disse Johnston.

Rússia continua lucrando

Os Estados Unidos, o Reino Unido e o Canadá anunciaram proibições às importações de petróleo russo. Mais significativamente, a Europa seguirá o exemplo do petróleo russo que importa por mar, um grande passo, dada a sua dependência de longa data do fornecimento de energia da Rússia. O bloco diz que a proibição se aplicará a 90% das importações russas de petróleo até o final do ano.

Os clientes europeus já recuaram. As exportações russas de petróleo para a Europa caíram para 3,3 milhões de barris por dia em maio, recuando 170.000 barris por dia em relação ao mês anterior, segundo a Agência Internacional de Energia (AIE).

Mas um aumento nas exportações para a Ásia ajudou a compensar grande parte dessas perdas. A China – aproveitando os enormes descontos de preços – viu suas importações atingirem 2 milhões de barris por dia pela primeira vez. As importações da Índia também dispararam, pairando perto de 900.000 barris por dia em maio.

“Estamos ativamente engajados em reorientar nossos fluxos comerciais e contatos econômicos estrangeiros para parceiros internacionais confiáveis, principalmente os países dos Brics”, disse Putin na quarta-feira (22), referindo-se ao bloco de economias em desenvolvimento que também inclui Brasil, Índia, China e África do Sul.

A Rússia está vendendo barris de petróleo dos Urais por cerca de US$ 35 mais barato que o Brent global, que foi negociado pela última vez perto de US$ 113 por barril. Mas como os preços subiram acentuadamente este ano devido aos tremores secundários da pandemia e da guerra, eles ainda estão ganhando muito dinheiro.

As receitas de exportação de petróleo da Rússia aumentaram US$ 1,7 bilhão em maio, para cerca de US$ 20 bilhões, segundo a AIE. A quantia está bem acima da média de 2021, de cerca de US$ 15 bilhões.

“Os russos ainda estão conseguindo um preço muito bom”, disse Johnston.

Altos funcionários do governo dos Estados Unidos disseram que lidar com essa dinâmica será uma prioridade na reunião do G7. Falando com repórteres na quarta-feira, eles delinearam seu objetivo: maximizar a dor para o regime de Putin, minimizando os efeitos colaterais para o resto do mundo.

“Esperamos que eles falem, como podemos tomar medidas que reduzam ainda mais as receitas de energia da Rússia?” disse um funcionário. “E como fazemos isso de forma a estabilizar os mercados globais de energia e diminuir as interrupções e pressões que vimos?”.

Que ferramentas sobraram?

Para tornar mais difícil para a China, Índia e outros países continuarem importando petróleo russo, a Europa pretende banir gradualmente o seguro de navios que transportam petróleo do país.

Se o Reino Unido aderir, como esperado, isso seria um golpe no sistema global de transporte de combustível, dado o domínio do mercado de seguros do Lloyd’s de Londres. O governo Biden está nervoso de que a medida faça os preços dispararem.

Ainda assim, Mai Rosner, ativista da organização sem fins lucrativos Global Witness, disse que os países ocidentais precisam ir mais longe para tirar o petróleo russo do mercado rapidamente, já que qualquer atraso dá aos participantes do mercado tempo para criar maneiras criativas de contornar as regras.

“Essas sanções fragmentadas estão deixando brechas para a indústria de combustíveis fósseis explorar”, disse Rosner.

Os Estados Unidos, com o apoio da Europa, podem decretar as chamadas sanções secundárias contra países terceiros que continuam a fazer negócios com a Rússia, como fez com o Irã e a Venezuela. O governo norte-americano não descartou a possibilidade.

Mas tal medida geraria tanta turbulência que os especialistas a consideram improvável – especialmente considerando as crescentes críticas políticas que os líderes do Ocidente enfrentam com os aumentos de preços mais rápidos em décadas.

Se a China e a Índia tivessem que encontrar barris de reposição, o preço do petróleo poderia facilmente chegar a US$ 200 por barril, de acordo com Darwei Kung, gerente de portfólio de commodities da DWS.

“É difícil ver um mundo onde os Estados Unidos imponham [tais] sanções ao Irã, Venezuela e Rússia ao mesmo tempo”, disse Johnston. “O petróleo tem que vir de algum lugar”.

Biden tem enfatizado cada vez mais que combater a inflação mais alta no país em 40 anos é uma das principais prioridades antes das eleições de meio de mandato em novembro.

O presidente francês Emmanuel Macron, que recentemente perdeu o apoio legislativo de que desfrutou em seu primeiro mandato, prometeu enfrentar uma crescente crise de custo de vida, enquanto o primeiro-ministro Boris Johnson do Reino Unido – que sofreu duas grandes derrotas em eleições na semana passada – nomeou um “especialista em aumento do custo de vida” para trabalhar com o setor privado em possíveis soluções.

Colocar um teto no preço do petróleo russo é uma solução que tem sido lançada. Isso significaria que a Rússia não estaria completamente isolada do mercado, mas seria forçada a vender petróleo por um preço tão barato que não seria capaz de lucrar.

Um teto de preço “baixaria o preço do petróleo russo e deprimiria as receitas de Putin, ao mesmo tempo em que permitiria que mais oferta de petróleo chegasse ao mercado global”, disse a secretária do Tesouro dos Estados Unidos Janet Yellen na semana passada.

Países como a Alemanha disseram que estão abertos a analisar a opção. Mas não está claro como o Ocidente poderia impor tal política, ou como conseguiria que países como China e Índia aderissem.

“Acho que quanto mais complicado for o sistema, maior a probabilidade de haver desafios para ele”, disse Kung. “[O] sistema de mercado funciona porque de certa forma é muito simples. É muito eficiente”.

Os governos do Ocidente também podem tentar aliviar as restrições aumentando a oferta ou deixando os preços tão altos que a demanda comece a cair. Nem é um cálculo simples.

Alguns países da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) têm capacidade para aumentar a produção, e Biden planeja visitar a Arábia Saudita para fortalecer as relações no próximo mês. Mas grande parte da capacidade do cartel já está esgotada.

No caso de uma recessão global – estimulada em parte porque os preços dos combustíveis são muito altos – a demanda por energia cairia e os preços poderiam começar a cair por conta própria. Mas isso seria profundamente doloroso, envolvendo perdas de empregos e danos econômicos, especialmente para famílias de baixa renda.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Rússia segue lucrando com exportações de petróleo e gás apesar de sanções no site CNN Brasil.