Política de Covid zero na China frustra esperança de retomada das economias globais

China mantém políticas restritivas contra a Covid-19 Hector Retamal/AFP - 1º.5.2022 A forte desaceleração da economia chinesa causada por suas rígidas regras de Covid zero e o afastamento de Pequim de uma dependência tradicional da demanda externa lançaram dúvidas sobre quanto o país contribuirá para o comércio e os investimentos globais futuros. Embora a China tenha encenado uma recuperação notavelmente rápida de sua queda inicial por conta da pandemia, graças às exportações e à produção industrial, analistas esperam que a atual retração seja mais difícil de ser superada do que a verificada no início de 2020. O panorama mais sombrio apresenta desafios não só para os líderes de Pequim preocupados com o aumento do desemprego, mas também para as empresas estrangeiras que contam com a China para retomar seu nível de envolvimento com o resto do mundo de antes da pandemia. Cálculos baseados em projeções do Fundo Monetário Internacional mostram a contribuição média anual esperada da China para o crescimento econômico global até 2027 em cerca de 29%. Embora isso seja um acréscimo considerável, contrasta com os anos que se seguiram à crise financeira global de 2008, quando esta se aproximou de 40%. Veja também Economia Novo lockdown na China vai acentuar falta de insumos e inflação global Internacional Xangai declara que atingiu taxa de 'Covid zero', e anúncio se torna piada nas redes sociais Economia Crise chinesa atinge indústrias no Brasil e deve afetar inflação O economista chefe do ANZ para a Grande China, Raymond Yeung, disse que as políticas econômicas de Pequim se voltaram mais recentemente para soluções e reformas domésticas, em vez da retomada de seu modelo passado que se concentrava em um maior envolvimento com o mundo. "A implementação bem sucedida delas pode abrir o caminho para o crescimento sustentável a longo prazo", escreveu Yeung em uma nota. "Entretanto, o risco de não alcançar uma taxa de crescimento semelhante é maior". Se (as multinacionais) começarem a retirar sua presença, o processo de convergência econômica pode chegar ao fim mais cedo do que o previsto." O crescimento das exportações da China desacelerou para um dígito em abril, o mais fraco desde o início da pandemia, enquanto as importações mal mudaram, já que a Covid-19 freou a produção das fábricas e reduziu a demanda. A expectativa é de que as autoridades sigam uma trajetória em relação à Covid antes de uma reunião importante do Partido Comunista no final do ano. Em sinal dessa cautela, a China desistiu na semana passada de sediar a Copa Asiática de Futebol no próximo ano devido a preocupações com a Covid. Peiqian Liu, economista da China na NatWest Markets em Cingapura, disse que, diante de uma escolha, Pequim provavelmente dará prioridade à manutenção das vitórias em batalhas duras contra a Covid e na dívida desenfreada, em vez de sua meta de crescimento de 5,5% em 2022, que muitos analistas consideram ambiciosa. "Em termos gerais, houve uma mudança a longo prazo, começando já em 2018, para uma economia mais orientada para o mercado interno, impulsionando o setor de serviços e atualizando a cadeia de fornecimento de manufatura, e afastando-se do estímulo e crescimento viciados em dívidas", disse Liu.  Uma desaceleração ampla e sustentada dos investimentos pesaria sobre a demanda, contribuindo para uma desaceleração mais profunda do crescimento global", completou ela.

Política de Covid zero na China frustra esperança de retomada das economias globais
China mantém políticas restritivas contra a Covid-19
China mantém políticas restritivas contra a Covid-19 Hector Retamal/AFP - 1º.5.2022

A forte desaceleração da economia chinesa causada por suas rígidas regras de Covid zero e o afastamento de Pequim de uma dependência tradicional da demanda externa lançaram dúvidas sobre quanto o país contribuirá para o comércio e os investimentos globais futuros.

Embora a China tenha encenado uma recuperação notavelmente rápida de sua queda inicial por conta da pandemia, graças às exportações e à produção industrial, analistas esperam que a atual retração seja mais difícil de ser superada do que a verificada no início de 2020.

O panorama mais sombrio apresenta desafios não só para os líderes de Pequim preocupados com o aumento do desemprego, mas também para as empresas estrangeiras que contam com a China para retomar seu nível de envolvimento com o resto do mundo de antes da pandemia.

Cálculos baseados em projeções do Fundo Monetário Internacional mostram a contribuição média anual esperada da China para o crescimento econômico global até 2027 em cerca de 29%. Embora isso seja um acréscimo considerável, contrasta com os anos que se seguiram à crise financeira global de 2008, quando esta se aproximou de 40%.

O economista chefe do ANZ para a Grande China, Raymond Yeung, disse que as políticas econômicas de Pequim se voltaram mais recentemente para soluções e reformas domésticas, em vez da retomada de seu modelo passado que se concentrava em um maior envolvimento com o mundo.

"A implementação bem sucedida delas pode abrir o caminho para o crescimento sustentável a longo prazo", escreveu Yeung em uma nota. "Entretanto, o risco de não alcançar uma taxa de crescimento semelhante é maior". Se (as multinacionais) começarem a retirar sua presença, o processo de convergência econômica pode chegar ao fim mais cedo do que o previsto."

O crescimento das exportações da China desacelerou para um dígito em abril, o mais fraco desde o início da pandemia, enquanto as importações mal mudaram, já que a Covid-19 freou a produção das fábricas e reduziu a demanda.

A expectativa é de que as autoridades sigam uma trajetória em relação à Covid antes de uma reunião importante do Partido Comunista no final do ano. Em sinal dessa cautela, a China desistiu na semana passada de sediar a Copa Asiática de Futebol no próximo ano devido a preocupações com a Covid.

Peiqian Liu, economista da China na NatWest Markets em Cingapura, disse que, diante de uma escolha, Pequim provavelmente dará prioridade à manutenção das vitórias em batalhas duras contra a Covid e na dívida desenfreada, em vez de sua meta de crescimento de 5,5% em 2022, que muitos analistas consideram ambiciosa.

"Em termos gerais, houve uma mudança a longo prazo, começando já em 2018, para uma economia mais orientada para o mercado interno, impulsionando o setor de serviços e atualizando a cadeia de fornecimento de manufatura, e afastando-se do estímulo e crescimento viciados em dívidas", disse Liu.  Uma desaceleração ampla e sustentada dos investimentos pesaria sobre a demanda, contribuindo para uma desaceleração mais profunda do crescimento global", completou ela.