PIB de 1,7% em 2022 supõe baixo crescimento até o fim do ano, diz economista

Banco Central (BC) elevou a projeção de crescimento do PIB de 2022 de 1% para 1,7%; especialista diz que estimativa supõe estabilidade da economia Este conteúdo foi originalmente publicado em PIB de 1,7% em 2022 supõe baixo crescimento até o fim do ano, diz economista no site CNN Brasil.

PIB de 1,7% em 2022 supõe baixo crescimento até o fim do ano, diz economista

O Banco Central (BC) elevou projeção de crescimento do PIB de 2022 de 1% para 1,7%. De acordo com a entidade monetária, os fatores que levaram à revisão positiva ocorrem em razão do primeiro semestre deste ano, e não tanto devido a perspectivas de melhora da economia brasileira nos próximos meses.

Em entrevista à CNN neste sábado (25), o professor de economia da Fundação Getúlio Vargas Marcelo Kfoury disse que a projeção não é tão positiva, pois essa estimativa supõe que a atividade econômica brasileira ficaria estável, com baixo crescimento até o fim do ano.

“O PIB deve crescer acima de 1%, seja 1,6% ou 1,7%, mas o que precisamos realçar é que essa medida de média anual não é a melhor. Isso porque com esse crescimento no primeiro trimestre, se projetar zero para o segundo, terceiro e quarto trimestre, por exemplo, a média do ano já está 1,4% acima da do ano passado”, destacou.

“Portanto, não dá para comemorar muito esse número porque este é um dado que requer equivalência de média”, acrescentou.

Segundo ele, os economistas estão aumentando a projeção de PIB de 2022 e diminuindo de 2023 em razão de problemas internacionais.

“Há números indicando que tem 50% de os EUA entrarem em recessão em 2023, por conta da política mais agressiva de aumento de juros por lá. Em resumo, 1,7% significa uma estabilidade da economia brasileira, e a pressão inflacionária não deve diminuir a curto prazo”, concluiu.

*Sob supervisão de Elis Franco

Assista à entrevista completa no vídeo acima.

 

Este conteúdo foi originalmente publicado em PIB de 1,7% em 2022 supõe baixo crescimento até o fim do ano, diz economista no site CNN Brasil.