Pesquisa da Fecomércio mostra impacto da variante ômicron e H3N2 no AM

 Centro Manaus.jpeg Manaus (AM) - O Instituto Fecomércio de Pesquisas Empresariais do Amazonas (Ifpeam) divulgou nesta quinta-feira (20), pesquisa realizada no período de 10 a 14 de janeiro deste ano, sobre a percepção dos empresários quanto aos impactos das variantes de Covid-19 e de Influenza no Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Amazonas. No estudo, realizado com 52 micro e pequenos empresários, os comerciantes responderam que as medidas adotadas pelo Governo do Estado para conter o aumento de casos de Covid-19 (variante Ômicron) e de Influenza (variante H3N2) estão sendo “Prudente e Necessárias” (38%). Alguns “Concordam Plenamente” (37%) com as medidas e outros “Concordam Parcialmente” (25%).Leia também: Queima de estoque movimenta comércio no início do ano em ManausCenário preocupanteQuanto às expectativas econômicas para os próximos meses, a maioria dos empresários vê um “Cenário Preocupante” (34%), enquanto 33% esperam um “Cenário Desafiador” e 33% um “Cenário Positivo com Aumento nas Vendas”.Para a retomada da economia, os empresários entendem que são necessárias medidas como “Linhas de Crédito com juros baixos e menos burocracia” (60%), “Redução nos Custos dos Fretes” (36%) e “Flexibilização das Leis Trabalhistas” (4%). Os entrevistados responderam “Afastamento do colaborador” (60%) e “Diminuição nas vendas” (40%) como os dois principais impactos das duas variantes nas empresas do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Amazonas. Leia mais:IBGE: desemprego cai 1,6 ponto percentual e chega a 12,1%

Pesquisa da Fecomércio mostra impacto da variante ômicron e H3N2 no AM
 Centro Manaus.jpeg Manaus (AM) - O Instituto Fecomércio de Pesquisas Empresariais do Amazonas (Ifpeam) divulgou nesta quinta-feira (20), pesquisa realizada no período de 10 a 14 de janeiro deste ano, sobre a percepção dos empresários quanto aos impactos das variantes de Covid-19 e de Influenza no Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Amazonas. No estudo, realizado com 52 micro e pequenos empresários, os comerciantes responderam que as medidas adotadas pelo Governo do Estado para conter o aumento de casos de Covid-19 (variante Ômicron) e de Influenza (variante H3N2) estão sendo “Prudente e Necessárias” (38%). Alguns “Concordam Plenamente” (37%) com as medidas e outros “Concordam Parcialmente” (25%).Leia também: Queima de estoque movimenta comércio no início do ano em ManausCenário preocupanteQuanto às expectativas econômicas para os próximos meses, a maioria dos empresários vê um “Cenário Preocupante” (34%), enquanto 33% esperam um “Cenário Desafiador” e 33% um “Cenário Positivo com Aumento nas Vendas”.Para a retomada da economia, os empresários entendem que são necessárias medidas como “Linhas de Crédito com juros baixos e menos burocracia” (60%), “Redução nos Custos dos Fretes” (36%) e “Flexibilização das Leis Trabalhistas” (4%). Os entrevistados responderam “Afastamento do colaborador” (60%) e “Diminuição nas vendas” (40%) como os dois principais impactos das duas variantes nas empresas do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Amazonas. Leia mais:IBGE: desemprego cai 1,6 ponto percentual e chega a 12,1%