O day after de Geraldo Jr., o risco de suspensão do VLT e a sofrência do governador

Leia a coluna na íntegra

O day after de Geraldo Jr., o risco de suspensão do VLT e a sofrência do governador

Fim das mordomias
Não é apenas o governador Rui Costa que sofre com a proximidade do fim do mandato e a perda das muitas regalias. O atual presidente da Câmara de Vereadores, Geraldo Júnior (MDB), é outro que vai sofrer para “desmamar” do poder. Ele até tentou, num ato de desespero, estender ilegalmente o seu mandato na presidência da Casa. Mas, até o fim do ano, a justiça irá derrubar a reeleição e no começo de 2023 ele terá de voltar a planície política. “Nunca um presidente da Câmara Municipal de Salvador teve tantas mordomias. Ele deve sentir calafrios só de imaginar perder isso tudo”, observa um antigo funcionário da Casa. Segundo este funcionário, Geraldo Júnior tem um cerimonial de dar inveja a muitos chefes de Estado. “Ele tem escolta, assistência militar, batedores. É, vai ser difícil perder essa mordomia toda”, conclui.

Plano B
Mesmo favorecido por essa megaestrutura, Geraldo Júnior penou para reeleger-se vereador no último mandato. Teve pouco mais de 12 mil votos. Sabendo que teria dificuldades em eleger-se deputado federal, ele aceitou o convite de candidato a vice-governador na chapa do PT baiano. Agora, preocupado com o day after a eleição e a grande possibilidade de derrota, Geraldo Júnior começou a sondar antigos aliados sobre uma tentativa de reconciliação.  “Ele pensa que somos bobos, quer ficar bem com todo mundo”, relata um petista incomodado. 

Semancol
Por esse e outros motivos, a lua-de-mel entre Geraldo Júnior e o PT está chegando ao final. O jeito expansivo e animado do vereador até agradou no começo. Hoje, porém, pelas costas o candidato a vice-governador é apontado como uma figura cansativa, que sempre conta as mesmas piadas. “Os trejeitos dele já perderam a graça. Tá faltando semancol”, reclama um deputado da base petista.

Com o pires na mão I
Técnicos e auditores que acompanham as tratativas para as obras do VLT do Subúrbio sinalizam para o risco de haver uma suspensão do contrato. O sinal amarelo veio depois deles terem sido informados que a empresa responsável pelo modal não conseguiu viabilizar empréstimo em bancos nacionais e internacionais. Sem a salvaguarda financeira para execução da obra, a propaganda do VLT, que deveria substituir o lendário trem do subúrbio, vai ficando apenas como mais uma promessa de governo do PT, assim como o Centro de Convenções, a ponte Salvador-Itaparica…

Com o pires na mão II
Quem também está com o pires na mão é o governador Rui Costa, que precisa injetar R$ 100 milhões nas obras da nova rodoviária, em Águas Claras. A autorização do empréstimo milionário, a seis meses do final do governo, depende da Assembleia Legislativa da Bahia, onde nem os governistas dão sinal de adesão. A oposição, por sua vez, já afirmou que não há possibilidade de fazer acordo para votação. O entendimento na Casa é que o governo tem feito tudo na “correria”, sem o mínimo de previsibilidade, organização e zelo com os recursos públicos.

Novo recorde de Rui
Durante os governos de Rui e Wagner, a Bahia conquistou títulos nada agradáveis: liderança de homicídios e desemprego, última lugar em educação e maior número de analfabetos e pessoas extremamente pobres do país. Agora, na crise dos combustíveis, Rui deu ao estado mais uma liderança indigesta: a gasolina mais cara do Brasil. Nas últimas semanas, as pesquisas da ANP têm apontado o preço médio do combustível vendido na Bahia como o maior entre os estados. Que fase...

Tá na sofrência I
A corriqueira irritação do governador Rui Costa (PT) tem agora um novo alvo: a debandada de prefeitos do PSD para apoio a ACM Neto na disputa pelo governo do estado, fato que tem tirado o sono do cacique petista. Ele tem dito que, de todas as dissidências, as do PSD são as que mais incomodam devido ao fato de o partido ter sido o mais privilegiado no seu governo, com obras e recursos, e mesmo assim prefeitos estão pulando do barco. O governador já disse que espera um esforço para conter a debandada do partido, comandado pelo senador Otto Alencar. Mas será que Rui tem essa coragem de falar com Otto?

Porteira aberta
A mais nova portabilidade foi o prefeito de Ponto Novo, Thiago Gilleno (PSD), que anunciou ontem seu apoio a ACM Neto durante evento no município. O ex-prefeito de Salvador foi até a cidade para formalizar a aliança. 

Tá na sofrência II
O governador Rui Costa (PT) demonstrou recentemente certa irritação ao se queixar com um aliado próximo do fogo amigo contra ele em sua própria base. Na conversa, Rui acusou parlamentares petistas de traição e disse ser culpa deles os ataques desferidos ao governador. Contou ainda que tem sido injustiçado com o tratamento arredio de alguns deputados, que fazem críticas à falta de articulação dele. 

Até tu, Brutus?
A chateação do governador tem um motivo. Chegou aos ouvidos dele que um de seus mais próximos aliados andou falando que Rui errou na articulação política, e não só em 2022. Numa roda de conversa, o figurão, que o governador diz ser de sua confiança, teria dito que Rui cometeu demasiados erros no processo de sua sucessão e no trato com políticos. Para o petista, segundo a fonte da coluna, a crítica foi encarada como uma traição profunda. 

Passe de mágica
Os valores empenhados pela Bahiatursa em contratos para custeio dos festejos juninos deste ano impressionam. É que os valores já somam mais que o dobro de todo o orçamento anual da Superintendência. Técnicos que acompanham as publicações dos contratos estão espantados com o montante e, ao mesmo tempo, curiosos para saber qual será o passe de mágica do governo na hora de fechar as contas. O retrospecto mostra que não é raro jogar para o exercício posterior os pagamentos que ficarem pendentes.