Líderes mundiais lamentam assassinato do ex-primeiro-ministro japonês Shinzo Abe

O ex-primeiro-ministro do Japão Shinzo Abe em frente à bandeira nacional do país Toru Hanai/Reuters - 05.03.2017 Vários líderes mundiais se manifestaram sobre a morte de Shinzo Abe, ex-primeiro-ministro japonês, que foi baleado na noite da última quinta-feira (7) – sexta-feira (8) no Japão – enquanto participava de um evento de campanha em Nara, região próxima a Kyoto, no centro-sul do país. O responsável pelo ataque é um ex-marinheiro de 40 anos, que foi preso. Ele usou uma arma artesanal, que foi confiscada. O presidente russo Vladimir Putin disse que a morte de Abe é uma "perda irreparável". Ele  enviou um telegrama de condolências à mãe e à viúva de Shinzo Abe, segundo um comunicado do Kremlin. O secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, condenou o assassinato do ex-primeiro-ministro japonês e chamou o político de "líder visionário". "Estou absolutamente desolada", disse Jacinda Ardern, primeira-ministra da Nova Zelândia, ao se manifestar sobre a morte de Abe. "Ele sempre foi focado e rígido, mas também generoso. (...) Nossos pensamentos ao mais antigo primeiro-ministro do Japão, cuja morte será sentida por muitos." Nas redes sociais, líderes europeus também prestaram condolências. Volodmir Zelenski, presidente da Ucrânia, disse que o acontecimento foi "um assassinato brutal" e "um ato hediondo de violência que não tem desculpa".  O presidente alemão Olaf Scholz afirmou estar "profundamente triste" e que seu país está ao lado do Japão "nestas horas difíceis". O líder francês Emmanuel Macron disse que " o Japão perdeu um grande primeiro-ministro, que dedicou sua vida ao seu país e trabalhou para trazer equilíbrio ao mundo".  O então primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe e o presidente da França, Emmanuel Macron Eliot Blondet/AFP - 26.06.2022 Já o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, que renunciou ao cargo na última quinta-feira, afirmou que seu país está com a família de Abe e com todo o povo japonês "neste momento sombrio e triste". Na América Latina, o presidente da Colômbia disse que seu país sempre lembrará de Abe como "um líder muito próximo". O presidente Jair Bolsonaro disse que recebeu a notícia com "extrema indignação e pesar", chamou o político japonês de "líder brilhante e grande amigo do Brasil" e decretou luto oficial em todo o Brasil durante 3 dias.  - Como sinal de nosso respeito ao povo japonês, de reconhecimento pela amizade de Shinzo Abe com Brasil e de solidariedade diante de uma crueldade injustificável, decretei luto oficial em todo o país durante 3 dias. Que seu assassinato seja punido com rigor. Estamos com o Japão. pic.twitter.com/Daeu4Qn629— Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) July 8, 2022 O presidente turco Recep Erdogan declarou estar "profundamente triste" com a morte de seu "querido amigo" Shinzo Abe.

Líderes mundiais lamentam assassinato do ex-primeiro-ministro japonês Shinzo Abe
O ex-primeiro-ministro do Japão Shinzo Abe em frente à bandeira nacional do país
O ex-primeiro-ministro do Japão Shinzo Abe em frente à bandeira nacional do país Toru Hanai/Reuters - 05.03.2017

Vários líderes mundiais se manifestaram sobre a morte de Shinzo Abe, ex-primeiro-ministro japonês, que foi baleado na noite da última quinta-feira (7) – sexta-feira (8) no Japão – enquanto participava de um evento de campanha em Nara, região próxima a Kyoto, no centro-sul do país.

O responsável pelo ataque é um ex-marinheiro de 40 anos, que foi preso. Ele usou uma arma artesanal, que foi confiscada.

O presidente russo Vladimir Putin disse que a morte de Abe é uma "perda irreparável". Ele  enviou um telegrama de condolências à mãe e à viúva de Shinzo Abe, segundo um comunicado do Kremlin.

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, condenou o assassinato do ex-primeiro-ministro japonês e chamou o político de "líder visionário".

"Estou absolutamente desolada", disse Jacinda Ardern, primeira-ministra da Nova Zelândia, ao se manifestar sobre a morte de Abe. "Ele sempre foi focado e rígido, mas também generoso. (...) Nossos pensamentos ao mais antigo primeiro-ministro do Japão, cuja morte será sentida por muitos."

Nas redes sociais, líderes europeus também prestaram condolências. Volodmir Zelenski, presidente da Ucrânia, disse que o acontecimento foi "um assassinato brutal" e "um ato hediondo de violência que não tem desculpa". 

O presidente alemão Olaf Scholz afirmou estar "profundamente triste" e que seu país está ao lado do Japão "nestas horas difíceis". O líder francês Emmanuel Macron disse que " o Japão perdeu um grande primeiro-ministro, que dedicou sua vida ao seu país e trabalhou para trazer equilíbrio ao mundo". 

O então primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe e o presidente da França, Emmanuel Macron
O então primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe e o presidente da França, Emmanuel Macron Eliot Blondet/AFP - 26.06.2022

Já o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, que renunciou ao cargo na última quinta-feira, afirmou que seu país está com a família de Abe e com todo o povo japonês "neste momento sombrio e triste".

Na América Latina, o presidente da Colômbia disse que seu país sempre lembrará de Abe como "um líder muito próximo".

O presidente Jair Bolsonaro disse que recebeu a notícia com "extrema indignação e pesar", chamou o político japonês de "líder brilhante e grande amigo do Brasil" e decretou luto oficial em todo o Brasil durante 3 dias. 

O presidente turco Recep Erdogan declarou estar "profundamente triste" com a morte de seu "querido amigo" Shinzo Abe.