Hospital do Juruá registra um caso da doença de Chagas

Uma menina de dez anos deu entrada no Hospital do Juruá, em Cruzeiro do Sul, no domingo, 3, com doença de Chagas. A informação foi confirmada pela Secretaria de Saúde na segunda-feira, 4, que informou que tem acompanhando o caso. Carmelinda Gonçalves, responsável pelo setor de Controle da Doença de Chagas e Leishmaniose no Acre, […]

Hospital do Juruá registra um caso da doença de Chagas

Uma menina de dez anos deu entrada no Hospital do Juruá, em Cruzeiro do Sul, no domingo, 3, com doença de Chagas. A informação foi confirmada pela Secretaria de Saúde na segunda-feira, 4, que informou que tem acompanhando o caso.

Carmelinda Gonçalves, responsável pelo setor de Controle da Doença de Chagas e Leishmaniose no Acre, disse que a criança apresentou febre e que a família suspeitava que ela estaria com malária. A menina é moradora do Rio Liberdade, zona rural de Cruzeiro do Sul.

“Estava com febre e a família achou que era malária, fez a lâmina e apareceu a Trypanosoma cruzi, que é a doença de Chagas. Hoje [segunda, 4] ela deve fazer uma nova consulta e já vai iniciar o tratamento de forma precoce. Mas, vai precisar ser hospitalizada para fazer todos os exames, entre eles, o raio-X para saber se teve comprometimento cardíaco, esofágico, mas, como é um caso bem inicial, mas é um tratamento precoce”, disse.

O próximo passo, segundo a responsável técnica, é fazer vistorias in loco para saber se há mais casos na comunidade. “Vamos fazer buscas para saber se foi transmissão pelo vetor ou algum suco da floresta que ela pode ter tomado, e fazer tratamento”, destaca.

Dados da Secretaria Estadual de Saúde (Sesacre) mostram que foram 29 casos da doença confirmados no Acre nos últimos três anos. Sendo: 9 em 2020; 15 em 2021; 5 em 2022

As maiores ocorrências são nas cidades de Marechal Thaumaturgo e Cruzeiro do Sul.

O que é?

A doença de Chagas é uma infecção causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi, cujo principal vetor é o inseto “barbeiro” contaminado. O barbeiro funciona como uma espécie de intermediário entre o protozoário e o ser humano. O inseto pica um animal silvestre já infectado e depois transmite a doença para as pessoas.

O nome do inseto barbeiro vem do fato de que, frequentemente, as picadas ocorrem no rosto.
A doença é popularmente conhecida porque, na maioria dos casos, há um aumento significativo no tamanho do coração do paciente afetado. Isso ocorre porque as câmaras internas do coração doente aumentam de tamanho. A dilatação do coração impede que o sangue seja bombeado para o corpo da forma correta. (Por G1 Acre)