Homem que arrancou coração da tia não vai enfrentar o júri

Homem que assassinou e arrancou o coração da tia não vai enfrentar júri popular. O juiz da 2ª Vara Criminal de Sorriso, Anderson Candiotto, homologou o segundo laudo pericial que confirma que Lumar Costa da Silva, 31 anos, tem bipolaridade tipo 1 e não podia, ao tempo da ação, entender o caráter ilícito da ação. Quer ficar bem informado em tempo real? Entre no nosso grupo e receba todas as noticias (ACESSE AQUI). O magistrado afirmou que está convencido que o réu é inimputável. “De fato, da análise dos autos, em cotejo com os elementos indiciários de prova produzidos nos autos da ação penal em apenso, tenho que o laudo pericial deve ser homologado, haja vista que estou convencido da inimputabilidade do acusado ao tempo da ação”, diz trecho da decisão. O crime que chocou Mato Grosso foi cometido contra Maria Zélia da Silva Cosmos, em Sorriso (420 km ao norte de Cuiabá), no dia 2 de julho de 2019. Agora falta o juiz determinar qual medida será adotada. De acordo com o Código Penal, pessoas que, por doença mental ou desenvolvimento mental incompleto ou retardado, são incapazes de entender o caráter ilícito dos crimes cometidos, não podem ser julgadas e condenadas. Nestes casos, o Código Penal estabelece que devem ser determinada internação, ou tratamento ambulatorial, pelo prazo mínimo de um a 3 anos. Ainda estabelece que o “internado será recolhido a estabelecimento dotado de características hospitalares e será submetido a tratamento”. O último laudo psiquiátrico...

Homem que arrancou coração da tia não vai enfrentar o júri
Homem que assassinou e arrancou o coração da tia não vai enfrentar júri popular. O juiz da 2ª Vara Criminal de Sorriso, Anderson Candiotto, homologou o segundo laudo pericial que confirma que Lumar Costa da Silva, 31 anos, tem bipolaridade tipo 1 e não podia, ao tempo da ação, entender o caráter ilícito da ação. Quer ficar bem informado em tempo real? Entre no nosso grupo e receba todas as noticias (ACESSE AQUI). O magistrado afirmou que está convencido que o réu é inimputável. “De fato, da análise dos autos, em cotejo com os elementos indiciários de prova produzidos nos autos da ação penal em apenso, tenho que o laudo pericial deve ser homologado, haja vista que estou convencido da inimputabilidade do acusado ao tempo da ação”, diz trecho da decisão. O crime que chocou Mato Grosso foi cometido contra Maria Zélia da Silva Cosmos, em Sorriso (420 km ao norte de Cuiabá), no dia 2 de julho de 2019. Agora falta o juiz determinar qual medida será adotada. De acordo com o Código Penal, pessoas que, por doença mental ou desenvolvimento mental incompleto ou retardado, são incapazes de entender o caráter ilícito dos crimes cometidos, não podem ser julgadas e condenadas. Nestes casos, o Código Penal estabelece que devem ser determinada internação, ou tratamento ambulatorial, pelo prazo mínimo de um a 3 anos. Ainda estabelece que o “internado será recolhido a estabelecimento dotado de características hospitalares e será submetido a tratamento”. O último laudo psiquiátrico...