Grupo de pessoas trans cria coletivo para lutar contra o preconceito e por oportunidades em Angra dos Reis

'Coletivo Trans Angra' foi criado há menos de uma semana. Saiba como fazer parte do grupo. 'Coletivo Trans Angra' acolhe transexuais de Angra dos Reis Foto: Anaya França Um grupo de pessoas transexuais de Angra dos Reis (RJ) criou o "Coletivo Trans Angra". O objetivo é dar visibilidade, lutar contra o preconceito e por oportunidades. Formado há menos de uma semana, o coletivo é composto por 15 pessoas. Neste sábado (29), Dia Nacional da Visibilidade Trans, o grupo começou a divulgar o movimento. "Nosso objetivo é trazer pautas públicas ao governo municipal a fim de conseguirmos melhorias nos serviços oferecidos em prol dos transexuais e visando sempre o incentivo contra a intolerância da diversidade de gênero", disse Anaya França, mulher trans e integrante do coletivo. "Todo processo de acolhimento traz segurança e visibilidade aos transexuais, ainda vistos com preconceito pela sociedade", concluiu Anaya. Os interessados em fazer parte do coletivo devem entrar em contato pelas redes sociais. Leia mais: Jovem trans de Volta Redonda fala sobre seu processo de aceitação RJ é o 3° estado com mais assassinatos de transexuais e travestis Um levantamento da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) aponta que o Rio de Janeiro é o terceiro estado do Brasil com mais assassinatos de transexuais e travestis. Segundo a Antra, o Brasil aparece como o país com maior número de assassinatos. Entre 2008 e 2021, foram, em média, 123 assassinatos por ano. O estado do Rio aumentou de 10 casos em 2020 para 12 em 2021. À frente do estado fluminense está São Paulo, que contabilizou 25 assassinatos da população trans no ano passado e se manteve no topo da lista pelo terceiro ano consecutivo. A Bahia teve 13 casos e saiu da terceira posição para a segunda. Clique aqui e siga o g1 no Instagram VÍDEOS: as notícias que foram ao ar na TV Rio Sul

Grupo de pessoas trans cria coletivo para lutar contra o preconceito e por oportunidades em Angra dos Reis

'Coletivo Trans Angra' foi criado há menos de uma semana. Saiba como fazer parte do grupo. 'Coletivo Trans Angra' acolhe transexuais de Angra dos Reis Foto: Anaya França Um grupo de pessoas transexuais de Angra dos Reis (RJ) criou o "Coletivo Trans Angra". O objetivo é dar visibilidade, lutar contra o preconceito e por oportunidades. Formado há menos de uma semana, o coletivo é composto por 15 pessoas. Neste sábado (29), Dia Nacional da Visibilidade Trans, o grupo começou a divulgar o movimento. "Nosso objetivo é trazer pautas públicas ao governo municipal a fim de conseguirmos melhorias nos serviços oferecidos em prol dos transexuais e visando sempre o incentivo contra a intolerância da diversidade de gênero", disse Anaya França, mulher trans e integrante do coletivo. "Todo processo de acolhimento traz segurança e visibilidade aos transexuais, ainda vistos com preconceito pela sociedade", concluiu Anaya. Os interessados em fazer parte do coletivo devem entrar em contato pelas redes sociais. Leia mais: Jovem trans de Volta Redonda fala sobre seu processo de aceitação RJ é o 3° estado com mais assassinatos de transexuais e travestis Um levantamento da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) aponta que o Rio de Janeiro é o terceiro estado do Brasil com mais assassinatos de transexuais e travestis. Segundo a Antra, o Brasil aparece como o país com maior número de assassinatos. Entre 2008 e 2021, foram, em média, 123 assassinatos por ano. O estado do Rio aumentou de 10 casos em 2020 para 12 em 2021. À frente do estado fluminense está São Paulo, que contabilizou 25 assassinatos da população trans no ano passado e se manteve no topo da lista pelo terceiro ano consecutivo. A Bahia teve 13 casos e saiu da terceira posição para a segunda. Clique aqui e siga o g1 no Instagram VÍDEOS: as notícias que foram ao ar na TV Rio Sul