Governo do Estado discute segurança alimentar em meio a enchente

 WhatsApp Image 2022-01-11 at 16.12.27.jpeg Manaus (AM) - A garantia da segurança alimentar de famílias em situação de vulnerabilidade social foi pauta da reunião entre a titular da Secretaria de Estado da Assistência Social (Seas), Alessandra Campêlo, e o prefeito de Lábrea, Gean Barros, nesta terça-feira (11). Na conversa, foram discutidas ações humanitárias e que assegurem a alimentação na mesa de famílias afetadas pela enchente prevista para 2022. De acordo com o prefeito, pelo menos 3 mil famílias podem sofrer com os efeitos da subida das águas no município, localizado a 702 quilômetros de Manaus, e que a abertura para o diálogo com a Seas demonstra que o Governo do Amazonas está se preparando e preocupado em amenizar os impactos da cheia. “A reunião foi muito produtiva. Tratamos da segurança alimentar de famílias vulneráveis e também estamos nos antecipando na questão da enchente que se aproxima. Calculamos que aproximadamente 3 mil famílias devem sofrer com os efeitos dessa cheia, e a discussão hoje girou em torno de ações emergenciais que vão amenizar esse impacto”, disse o gestor. Em dezembro de 2021, o governador Wilson Lima anunciou o plano de ação para a Operação Enchente 2022. O planejamento define as medidas do Estado para socorrer aproximadamente 130 mil famílias nos 62 municípios que, possivelmente, enfrentarão prejuízos causados pela subida dos rios da região. O objetivo do plano é permitir que o Estado apresente respostas rápidas de ajuda humanitária em regiões em que o período sazonal de cheia causa impactos mais severos à população, bem como apoiar prefeituras municipais no monitoramento e adoção de medidas que minimizem os impactos. A titular da Seas, Alessandra Campêlo, apontou a importância de adiantar as discussões em torno de ações humanitárias emergenciais relacionadas à enchente. “O governador Wilson Lima determinou que exista um comitê para que possamos discutir essas ações antecipadamente, como forma de planejamento. Esse comitê já existe e tratamos de auxílios em caráter emergencial, distribuição de cestas básicas e materiais necessários para amenizar os impactos da cheia. O prefeito está aqui para se adiantar nas discussões e o governo está preparado”, afirmou.*Com informações da assessoria Leia mais: Deputado apela para que amazonenses se vacinem contra a Covid-19 Gleisi Hoffmann diz que Lula não vai atender ao "mimimi do mercado" Governo do Amazonas retoma distribuição do Auxílio Estadual permanente

Governo do Estado discute segurança alimentar em meio a enchente
 WhatsApp Image 2022-01-11 at 16.12.27.jpeg Manaus (AM) - A garantia da segurança alimentar de famílias em situação de vulnerabilidade social foi pauta da reunião entre a titular da Secretaria de Estado da Assistência Social (Seas), Alessandra Campêlo, e o prefeito de Lábrea, Gean Barros, nesta terça-feira (11). Na conversa, foram discutidas ações humanitárias e que assegurem a alimentação na mesa de famílias afetadas pela enchente prevista para 2022. De acordo com o prefeito, pelo menos 3 mil famílias podem sofrer com os efeitos da subida das águas no município, localizado a 702 quilômetros de Manaus, e que a abertura para o diálogo com a Seas demonstra que o Governo do Amazonas está se preparando e preocupado em amenizar os impactos da cheia. “A reunião foi muito produtiva. Tratamos da segurança alimentar de famílias vulneráveis e também estamos nos antecipando na questão da enchente que se aproxima. Calculamos que aproximadamente 3 mil famílias devem sofrer com os efeitos dessa cheia, e a discussão hoje girou em torno de ações emergenciais que vão amenizar esse impacto”, disse o gestor. Em dezembro de 2021, o governador Wilson Lima anunciou o plano de ação para a Operação Enchente 2022. O planejamento define as medidas do Estado para socorrer aproximadamente 130 mil famílias nos 62 municípios que, possivelmente, enfrentarão prejuízos causados pela subida dos rios da região. O objetivo do plano é permitir que o Estado apresente respostas rápidas de ajuda humanitária em regiões em que o período sazonal de cheia causa impactos mais severos à população, bem como apoiar prefeituras municipais no monitoramento e adoção de medidas que minimizem os impactos. A titular da Seas, Alessandra Campêlo, apontou a importância de adiantar as discussões em torno de ações humanitárias emergenciais relacionadas à enchente. “O governador Wilson Lima determinou que exista um comitê para que possamos discutir essas ações antecipadamente, como forma de planejamento. Esse comitê já existe e tratamos de auxílios em caráter emergencial, distribuição de cestas básicas e materiais necessários para amenizar os impactos da cheia. O prefeito está aqui para se adiantar nas discussões e o governo está preparado”, afirmou.*Com informações da assessoria Leia mais: Deputado apela para que amazonenses se vacinem contra a Covid-19 Gleisi Hoffmann diz que Lula não vai atender ao "mimimi do mercado" Governo do Amazonas retoma distribuição do Auxílio Estadual permanente