General russo que supervisionou atrocidades na Síria liderou ataques contra civis na Ucrânia

Forças sob comando do coronel-general Alexander Zhuravlyov usaram bombas de fragmentação nos dois países; após deixar a Síria, ele foi premiado com honras e promovido duas vezes Este conteúdo foi originalmente publicado em General russo que supervisionou atrocidades na Síria liderou ataques contra civis na Ucrânia no site CNN Brasil.

General russo que supervisionou atrocidades na Síria liderou ataques contra civis na Ucrânia

Enquanto buscava água potável para sua família em uma tarde ensolarada e fria, no final de fevereiro, Margarita Kiriukhina tentava ignorar os estrondos e baques dos bombardeios russos nas proximidades.

Na fila, com dois galões na mão, ela tentou aliviar a tensão, fazendo piadas com os vizinhos enquanto esperavam a vez deles no bebedouro. Apesar dos horrores que se abateram sobre sua cidade depois que a Rússia invadiu a Ucrânia, eles seguiam em fila de forma ordenada.

De repente, Kiriukhina ouviu um som de assobio vindo do alto. Depois de avistar algo com o canto do olho, ela gritou para que todos se abaixassem. A fila ficou rapidamente encharcada de sangue, o ar envolvido em gritos.

Moscou havia acabado de lançar um de seus notórios foguetes de fragmentação Smerch de 300 milímetros — um projétil que libera 72 submunições sobre uma área do tamanho de um campo de futebol — que atingiram Kiriukhina e seus vizinhos.

A torrente de estilhaços cortou a perna, a mão e a testa de Kiriukhina. Um homem que estava próximo a ela perdeu dois dedos.

“Eu podia sentir que algo se rompeu em minha perna e meu quadril. Meu braço foi atingido e eu não conseguia sentir minha cabeça”, disse Kiriukhina à CNN.

Um foguete Smerch alojado em um carro em Kharkiv. / Alex Platt / CNN

O homem de 56 anos foi levado para o hospital em um carrinho de mão e ficou internado por dez dias.

Um vídeo postado na rede social mostra uma mulher com uma postura corajosa enquanto sua perna sangrava. Um pé decepado estava a alguns metros de distância. Outra mulher fazia um torniquete com uma coleira de cachorro — sem esperança — tentando salvar a colega ferida, de acordo com o depoimento de uma testemunha ocular.

Margarita Kiriukhina foi hospitalizada por 10 dias depois de ter sido ferida em um ataque russo de munição de fragmentação em Kharkiv. / Alex Platt / CNN

Esses não foram os únicos foguetes Smerch disparados contra Kharkiv durante um período-chave de 48 horas no final de fevereiro, enquanto as tropas russas lutavam para tomar a cidade das forças ucranianas. E a Ucrânia não é o primeiro campo de batalha onde as forças russas implantaram munições de fragmentação com efeitos devastadores contra civis.

Para os sobreviventes da guerra civil de anos na Síria, as cenas em Kharkiv ecoam inúmeras outras realizadas pela Rússia depois que o país interveio para ajudar o presidente Bashar al-Assad em 2015.

Através da análise de imagens de satélite em colaboração com o Centro de Resiliência da Informação (CIR, na sigla em inglês) e investigações in loco, a CNN identificou a brigada de artilharia de foguetes que lançou o ataque com munições de fragmentação em bairros residenciais da segunda cidade da Ucrânia no dia em que Kiriukhina e seus vizinhos foram atacados.

Essa brigada se reporta diretamente ao mesmo líder militar — o coronel-general Alexander Zhuravlyov — que supervisionou um dos capítulos mais brutais da guerra na Síria.

A CNN rastreou 11 foguetes Smerch que aterrissaram em Kharkiv em 27 e 28 de fevereiro até a 79ª Brigada de Artilharia de Foguetes da Rússia, com sede na região russa de Belgorod.

Essa brigada se reporta diretamente à liderança do Distrito Militar Ocidental (DMO) dos militares russos, um dos cinco distritos militares das forças armadas russas, com base na parte ocidental da Rússia.

Vários especialistas militares disseram à CNN que que o general Zhuravlyov — o equivalente russo de um comandante estratégico e operacional nas forças armadas dos Estados Unidos — é o único oficial com autoridade para ordenar um ataque com foguete Smerch em seu distrito.

Como é uma arma de alto valor, precisa de aprovação sênior para ser acionada.

O Kremlin e o Ministério da Defesa russo não responderam ao pedido de retorno da CNN.

Lições da Síria

Zhuravlyov, de 57 anos, foi comissionado como oficial soviético na década de 1980, quando serviu na antiga Tchecoslováquia com um grupo de forças russas. Após o colapso da URSS, ele retornou à Rússia, servindo inicialmente em unidades de tanques.

Enviado para a Síria três vezes, ele se tornou o comandante das tropas russas no país durante seu segundo turno no país, em julho de 2016. Antes de assumir o cargo, Moscou estava atolada em uma luta sangrenta para cercar e capturar a parte oriental de Aleppo, controlada pelos rebeldes, fazendo avanços constantes contra a oposição armada.

Quem é Alexander Zhuravlyov?

Alexander Zhuravlyov é um general proeminente do exército russo. Ele se juntou ao exército soviético em 1982 e agora é um ator importante na guerra da Rússia contra a Ucrânia.

Zhuravlyov está ligado a vários ataques indiscriminados contra civis nos últimos anos.

  • 2016: Comandante das tropas russas na Síria. Ajudou a liderar um ataque brutal a Aleppo.
  • 2017: Vice-Chefe do Estado-Maior Supostamente responsável por operações de guerra híbridas no Donbass da Ucrânia.
  • 2022: Uma investigação da CNN revelou que ele era chefe de um distrito militar que lançou munições cluster em Kharkiv.

A liderança de Zhuravlyov catalisou o ataque ao leste de Aleppo. Depois que ele tomou as rédeas, os militares russos aumentaram rapidamente seus ataques ao território controlado pelos rebeldes e completaram o cerco da cidade densamente povoada, causando um grande número de mortes e acionando uma tática que definiu a intervenção da Rússia na Síria: sitiar, deixar passar fome, bombardear até a submissão.

Seu período de comando também viu um aumento dramático nos ataques com bombas de fragmentação documentados em Aleppo.

De acordo com o Centro de Documentação de Violações, que documenta violações de direitos humanos na Síria, munições de fragmentação foram usadas 137 vezes em Aleppo entre 10 de setembro e 10 de outubro de 2016, um aumento de 791% no número médio de ataques com munições desse tipo nos oito meses anteriores.

Em 2015, o Ministério da Defesa da Rússia negou o uso de munições de fragmentação na Síria.

Essa foi uma escalada para a qual os grupos de ajuda humanitéria procuraram chamar a atenção do mundo. Na época, a então diretora da organização Save the Children na Síria, Sonia Khush, disse em um comunicado: “há crianças com membros recém-amputados ou com rolamentos de balas das bombas enfiados em seus tecidos musculares por causa do uso indiscriminado dessas armas terríveis”.

Em Kharkiv, a CNN conversou com dezenas de testemunhas oculares em vários dos bairros alvos de 11 ataques com foguetes Smerch ocorridos em 27 e 28 de fevereiro.

Imagens de CCTV mostram moradores de Kharkiv fugindo em busca de segurança em 28 de fevereiro, enquanto munições de fragmentação explodem ao redor deles.

Eles se lembraram da morte e destruição que as munições de fragmentação causaram em sua cidade. As ruas ficaram cobertas de feridos, carros em chamas e cacos de vidro.

Uma das testemunhas disse que até uma dúzia de pessoas ficaram feridas somente em seu prédio em um único ataque com foguete Smerch.

“Não sei exatamente o que era isso, mas estava em todo o distrito. Esses pequenos pedaços que explodem e espalham estilhaços perigosos por toda parte”, disse Yuriy Braiko, analista de programas de TI que mora em Kharkiv. “Eles criam muitos estilhaços minúsculos que atingem vários lugares, janelas e pessoas”.

Restos de foguetes vistos em Kharkiv pela CNN e as marcas de queimaduras deixadas pelos projéteis revelaram a direção do ataque, que a CNN rastreou até a região de Belgorod, na Rússia, perto da fronteira com a Ucrânia.

Como rastreamos os foguetes de fragmentação Smerch de Kharkiv até Zhuravlyov

Por meio de uma combinação de vídeos de mídia social, cálculos de trajetória, imagens de satélite PlanetLabs e relatórios in loco, a CNN e o Centro de Resiliência da Informação (CIR) conseguiram rastrear os foguetes Smerch até uma Brigada de Artilharia de Foguetes que se reporta ao General Alexander Zhuravlyov.

  1. A CNN identificou 11 locais impactados por foguetes Smerch em Kharkiv em 27 e 28 de fevereiro.
  2. Ao conectar os locais dos ataques, o CIR traçou uma trajetória levando em conta o alcance conhecido dos foguetes Smerck.
  3. As linhas de trajetória podem ser traçadas até um ponto de convergência na Rússia, de onde uma brigada que se reporta a Zhuravlyov estava disparando.
  4. Uma foto de satélite datada de 27 de fevereiro deste local mostra o momento em que um foguete Smerch é disparado em direção a Kharkiv, uma nuvem de fumaça pode ser vista e marcas de queimadura de um lançador de mísseis são visíveis na neve.

A CNN visitou um local onde autoridades ucranianas coletaram grandes pilhas de munições não detonadas. Mark Hiznay, especialista em armamentos e diretor associado de armas da Human Rights Watch, revisou as imagens do local e disse que as fotografias indicavam que os ataques com munições de fragmentação aconteceram em uma escala nunca vista em anos.

“Há muitas munições de fragmentação usadas em uma escala que provavelmente estava além do que vimos no sul do Líbano em 2006”, disse Hiznay, referindo-se à guerra de 2006 entre o Líbano e Israel, durante a qual os militares israelenses lançaram cerca de 4 milhões de submunições no sul do Líbano, de acordo com as Nações Unidas.

“Não é como nos filmes em que você vê o míssil antes que a bomba atinja. De repente, você terá 72 submunições detonando em um campo de futebol”, disse Hiznay.

“Então, é por isso que as pessoas são literalmente cortadas, de repente, por essas coisas. Você não tem muitas queimaduras. Você não tem ferimentos de explosão. É apenas uma fragmentação desagradável e sangrenta”.

O que são munições de fragmentação?

As munições de fragmentação contêm vários explosivos que são lançados em uma área do tamanho de vários campos de futebol. Eles podem ser lançados de um avião, do solo ou do mar.

Munições

 

  • As submunições são liberadas em voo e caem no chão. Eles podem variar de dezenas a muitas centenas;
  • Elas são projetados para explodir com o impacto, mas até um terço não explode, e continuam sendo um risco mortal para os civis nos próximos anos;
  • 94% das vítimas de bombas de fragmentação registradas são civis, dos quais quase 40% são crianças.

As bombas de fragmentação são proibidas por um tratado internacional — a Convenção de 2010 sobre Munições Fragmentação — que proíbe o uso, transferência, produção e armazenamento das armas.

O tratado cita o fracasso de muitas submunições em explodir com o impacto, deixando munições perigosas em campos e áreas urbanas que podem matar ou mutilar pessoas. A Rússia, Ucrânia, Estados Unidos e Israel estão entre os países que não são signatários do tratado.

Mas um ataque de qualquer tipo que atinja indiscriminadamente civis, como a investigação feita no local pela CNN revelou que aconteceu em 27 e 28 de fevereiro, parece ser um crime de guerra, de acordo com vários especialistas entrevistados.

“Os assassinatos extrajudiciais e o bombardeio da população civil, que não é uma necessidade militar nem proporcional à ameaça que estão enfrentando, são contra as Convenções de Genebra”, disse Philip Wasielewski, membro do Foreign Policy Research Institute.

“E, com base no padrão de responsabilidade de comando das Convenções de Genebra, o general (Zhuravlyov) é culpado, assim como qualquer outra pessoa em sua linha de comando”.

‘As feridas são as mesmas’

Um médico que tratou os feridos de guerra em ambos os conflitos ficou impressionado com as semelhanças. As pessoas chegaram ao hospital de Kharkiv marcadas por estilhaços, danos na pele e nos músculos, amputações, fraturas expostas e traumatismo craniano.

O cirurgião ortopédico sírio-americano Samer Attar, que trabalhou em Aleppo enquanto as forças do general Zhuravlyov sitiavam a cidade, viajou para a Ucrânia de sua cidade natal, Chicago, na esperança de ajudar os médicos ucranianos a lidar com a onda desconhecida de feridos de guerra traumatizados.

Attar descreveu as feridas que tratou em Kharkiv e as que viu em Aleppo em 2016 como “as mesmas”.

Samer Attar tratou de ferimentos de munição cluster no leste de Aleppo e viajou para a Ucrânia para tratar feridos em Kharkiv. “As feridas são as mesmas”, disse ele à CNN. / Alex Platt / CNN

Você pode ouvir as sirenes de ataque aéreo, mas todos aqui aprenderam a permanecer firmes e seguir em frente”, disse ele. “Nunca lá fora para e o trabalho também não”.

Em dezembro de 2016, os rebeldes que estavam escondidos no leste de Aleppo finalmente se renderam e o governo sírio e as forças russas retomaram o território.

Com o fim da batalha em Aleppo, Zhuravlyov deixou o comando dos militares russos na Síria e retornou à Rússia. Ele foi premiado com as mais altas honras concedidas a um oficial russo — o Herói da Federação Russa.

Ele foi promovido duas vezes no ano seguinte e tornou-se comandante do Distrito Militar Ocidental — a mesma divisão que causou morte e destruição em Kharkiv e outras partes da Ucrânia – logo após sua terceira passagem pela Síria em 2018.

“Os resultados alcançados por Zhuravlyov na Síria foram exatamente o que os russos queriam, daí sua recompensa com a medalha principal e os cargos mais altos que se pode obter”, disse o especialista militar russo, Wasielewski. “É o que Napoleão disse: ‘a recompensa de um general não é uma tenda maior, mas um comando maior’”.

Zhuravlyov disse depois, em uma entrevista, que a Síria lhe ensinou sobre o valor da “engenhosidade militar” e que as lições aprendidas lá estavam sendo integradas como um “componente orgânico” de todo o treinamento militar russo.

Vladimir Putin aperta a mão de Zhuravlyov no Kremlin em Moscou em 23 de março de 2017. / Reprodução / Kremlin

Outro general russo que serviu na Síria, ao lado de Zhuravlyov, — o tenente-general Aleksei Zavizion — foi nomeado vice de Zhuravlyov no Distrito Militar Ocidental no mesmo mês em que Zhuravlyov assumiu sua posição atual. Apenas um ano antes, Zavizion teria liderado um grupo de combatentes separatistas depois que eles tomaram território das forças do governo ucraniano na região de Donbass, no extremo leste do país, de acordo com a inteligência militar da Ucrânia.

A inteligência militar da Ucrânia também acusa Zavizion de estar por trás dos ataques do sistema de lançamento múltiplo de foguetes (MLRS, na sigla em inglês) em áreas civis na região de Donbass. Em 2017, a Ucrânia indiciou Zavizion por supostos crimes de guerra.

A CNN checou suas descobertas sobre os dois generais russos com a inteligência militar da Ucrânia, que confirmou que eles acusaram os homens de serem responsáveis por aparentes crimes contra civis em Kharkiv e em outros lugares.

Zhuravlyov e Zavizion não foram sancionados pela comunidade internacional.

“O coronel-general Alexander Zhuravlyov deveria ter sido punido por suas ações na Síria”, disse Matthew Ingham, advogado líder de direitos humanos do escritório de advocacia Payne Hicks Beach.

“É uma pena que não tenha havido uma resposta mais forte aos supostos crimes de guerra naquela fase, porque isso pode ter afetado os cálculos estratégicos ucranianos de Putin desde o início”.

Enquanto a invasão da Rússia continua em seu terceiro mês e a ofensiva no leste do país se intensifica, bombas caem sobre Kharkiv e grande parte da cidade foi evacuada de seus habitantes.

As fachadas de muitos prédios de apartamentos foram arrancadas. Os moradores que permanecem foram levados para o subsolo em acampamentos espalhados no sistema de metrô da cidade.

Depois de se recuperar do ataque com o foguete Smerch em 28 de fevereiro, Kiriukhina fugiu de Kharkiv, na esperança de apagar de sua mente as cenas de “filme de terror” que viveu.

Agora, quando ela está em público, ela usa uma boina ou um lenço para esconder as cicatrizes de suas feridas na cabeça.

“Eu estava de bom humor. O clima estava agradável. O sol estava brilhando. Ninguém teria pensado que tal horror se abateria em apenas alguns segundos”, disse ela.

“Do fundo de nossos corações e almas, desejamos punição por esses crimes. De alguma forma, a justiça prevalecerá. Mas, provavelmente, não será em breve”.

Como fizemos esta reportagem

A CNN verificou e analisou vídeos de mídia social que mostram várias explosões alinhadas com o uso de foguetes de munição de fragmentação Smerch de 300 mm em Saltivka e outras áreas residenciais de Kharkiv. Tanto a Human Rights Watch quanto a Anistia Internacional obtiveram evidências fotográficas de submunições de fragmentação não detonadas geolocalizadas no local dos ataques.

Em um exemplo, uma submunição 9N235 tinha uma data de fabricação de 2019, anos depois que a Rússia parou de vender essas armas para a Ucrânia, confirmando que o ataque foi lançado pela Rússia.

A CNN obteve e verificou a foto original mostrando esta submunição. Seus metadados mostram que a imagem foi tirada por um celular em 28 de fevereiro, próximo ao local de um dos ataques do foguete Smerch.

Uma equipe da CNN no local observou padrões de impacto compatíveis com a explosão de munições de fragmentação.

Com a ajuda do especialista em armamentos, Henry Schlottman, a CNN rastreou os foguetes até a 79ª Brigada de Artilharia de Foguetes, cuja base fica em Belgorod.

A inteligência militar da Ucrânia corroborou as descobertas da CNN.

 

Este conteúdo foi originalmente publicado em General russo que supervisionou atrocidades na Síria liderou ataques contra civis na Ucrânia no site CNN Brasil.