Festas no lockdown podem derrubar Boris Johnson do cargo?

Boris Johnson é suspeito de organizar e participar de festas durante a pandemia Jessica Taylor/AFP/UK PARLIAMENT - 19.1.2022 As denúncias de festas envolvendo o primeiro-ministro Boris Johnson durante o restrito lockdown do Reino Unido fez com que a opinião pública atacasse duramente o político. Apesar de pedir desculpas aos britânicos, o premiê afirma que não pretende renunciar ao cargo, que deve ocupar até 2024. No entanto, com a atual situação, existe uma pressão para que o partido do primeiro-ministro, o partido Conservador, retire o apoio a Johnson e que seja escolhido um novo nome antecipadamente. Vale lembrar que não é a população que elege quem ocupa essa posição no sistema parlamentarista, mas os membros do partido ou da coalizão com maior número de parlamentares eleitos. Mesmo neste cenário incerto, a professora da ESPM e doutora em relações internacionais pela London School of Economics Carolina Pavese acredita que Johnson ainda tenha alguns meses à frente do Reino Unido. “Não há um nome consensual dentro do partido de quem possa substituir Johnson. Há uma pressão para se esvaziar a cadeira, mas não há uma configuração de um candidato para substituir ou uma definição de nomes”, explica Pavese. Veja também Internacional Boris Johnson teria feito festa de aniversário durante lockdown Internacional Boris Johnson volta a se explicar por festas proibidas durante lockdown Internacional Boris Johnson nega ter mentido sobre festa em pleno confinamento As medidas restritivas impostas pelo governo do Reino Unido na pandemia foram uma das bandeiras de Johnson em 2020, levando a população à ira com a revelação do escândalo batizado pela imprensa britânica como Partygate, uma referências as festas realizadas na residência oficial e que violaram as regras de isolamento do país. “O sentimento geral é de revolta, de indignação e de injustiça. Essas regras de lockdown foram muito restritas no Reino Unido em todas as ondas”, destaca Pavese. “Essa vivência desse lockdown é ainda muito presente na relação dos cidadãos britânicos com a pandemia e uma característica muito forte de como o governo lidou com o coronavírus”.                     Apenas a ponta do iceberg Johnson vive momento delicado e batalha por apoio de políticos do Partido Conservador Justin Tallis/AFP - 25.1.2022                   Johnson assumiu o cargo de primeiro-ministro em 2019 após a saída da contestada Theresa May, em meio a uma tentativa de viabilizar o Brexit — apelido dado à saída do Reino Unido da União Europeia. Logo de início, o jeito atrapalhado e pouco tradicional para um político britânico fez com que a imagem do premiê ficasse cada vez mais desgastada. O Partygate, por si só, arranha ainda mais a imagem de Johnson, que atualmente enfrenta a deserção de parte da equipe de ministros, incluindo renúncias por suspeitas de fraude em auxílios que podem chegar a 3,4 bilhões de libras esterlinas (cerca de R$ 25 bilhões). Porém, soma-se a isso as acusações de chantagem dentro do partido Conservador e um caso de islamofobia contra a ex-ministra júnior de Transportes de Johnson, Nus Ghani. Todas essas questões sensíveis à sociedade britânica dificultam a vida do premiê no cargo. “Nus Ghani fala que na época procurou Johnson, que já era primeiro-ministro, e levou a ele essa denúncia, dizendo que havia acontecido islamofobia dentro do partido. Johnson disse que não iria se envolver com essa questão”, conta Pavese, destacando outros casos de xenofobia envolvendo o atual primeiro-ministro. Na visão da professora e doutora em relações internacionais, a imagem de político pouco convencional de Jonhson, que um dia alavancou a carreira do premiê, pode estar contribuindo negativamente neste momento. “Johnson enfrenta também um certo esgotamento com essa imagem de fanfarrão, que é um político atípico e que de certa forma alavancou a carreira dele quanto líder populista, mas que não é um perfil tradicional do político britânico.”             O que Johnson precisa fazer para se manter no cargo? Johnson foi a evento com crianças horas antes de festa de aniversário durante lockdown Andrew Parsons/10 Downing Street/AFP - 25.1.2022           Nesta semana, a alta funcionária do governo britânico Sue Gray deve divulgar um relatório completo sobre as festas organizadas por Johnson durante o lock

Festas no lockdown podem derrubar Boris Johnson do cargo?
Boris Johnson é suspeito de organizar e participar de festas durante a pandemia
Boris Johnson é suspeito de organizar e participar de festas durante a pandemia Jessica Taylor/AFP/UK PARLIAMENT - 19.1.2022

As denúncias de festas envolvendo o primeiro-ministro Boris Johnson durante o restrito lockdown do Reino Unido fez com que a opinião pública atacasse duramente o político. Apesar de pedir desculpas aos britânicos, o premiê afirma que não pretende renunciar ao cargo, que deve ocupar até 2024.

No entanto, com a atual situação, existe uma pressão para que o partido do primeiro-ministro, o partido Conservador, retire o apoio a Johnson e que seja escolhido um novo nome antecipadamente. Vale lembrar que não é a população que elege quem ocupa essa posição no sistema parlamentarista, mas os membros do partido ou da coalizão com maior número de parlamentares eleitos.

Mesmo neste cenário incerto, a professora da ESPM e doutora em relações internacionais pela London School of Economics Carolina Pavese acredita que Johnson ainda tenha alguns meses à frente do Reino Unido.

“Não há um nome consensual dentro do partido de quem possa substituir Johnson. Há uma pressão para se esvaziar a cadeira, mas não há uma configuração de um candidato para substituir ou uma definição de nomes”, explica Pavese.

As medidas restritivas impostas pelo governo do Reino Unido na pandemia foram uma das bandeiras de Johnson em 2020, levando a população à ira com a revelação do escândalo batizado pela imprensa britânica como Partygate, uma referências as festas realizadas na residência oficial e que violaram as regras de isolamento do país.

“O sentimento geral é de revolta, de indignação e de injustiça. Essas regras de lockdown foram muito restritas no Reino Unido em todas as ondas”, destaca Pavese. “Essa vivência desse lockdown é ainda muito presente na relação dos cidadãos britânicos com a pandemia e uma característica muito forte de como o governo lidou com o coronavírus”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Apenas a ponta do iceberg
Johnson vive momento delicado e batalha por apoio de políticos do Partido Conservador
Johnson vive momento delicado e batalha por apoio de políticos do Partido Conservador Justin Tallis/AFP - 25.1.2022

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Johnson assumiu o cargo de primeiro-ministro em 2019 após a saída da contestada Theresa May, em meio a uma tentativa de viabilizar o Brexit — apelido dado à saída do Reino Unido da União Europeia. Logo de início, o jeito atrapalhado e pouco tradicional para um político britânico fez com que a imagem do premiê ficasse cada vez mais desgastada.

O Partygate, por si só, arranha ainda mais a imagem de Johnson, que atualmente enfrenta a deserção de parte da equipe de ministros, incluindo renúncias por suspeitas de fraude em auxílios que podem chegar a 3,4 bilhões de libras esterlinas (cerca de R$ 25 bilhões).

Porém, soma-se a isso as acusações de chantagem dentro do partido Conservador e um caso de islamofobia contra a ex-ministra júnior de Transportes de Johnson, Nus Ghani. Todas essas questões sensíveis à sociedade britânica dificultam a vida do premiê no cargo.

“Nus Ghani fala que na época procurou Johnson, que já era primeiro-ministro, e levou a ele essa denúncia, dizendo que havia acontecido islamofobia dentro do partido. Johnson disse que não iria se envolver com essa questão”, conta Pavese, destacando outros casos de xenofobia envolvendo o atual primeiro-ministro.

Na visão da professora e doutora em relações internacionais, a imagem de político pouco convencional de Jonhson, que um dia alavancou a carreira do premiê, pode estar contribuindo negativamente neste momento.

“Johnson enfrenta também um certo esgotamento com essa imagem de fanfarrão, que é um político atípico e que de certa forma alavancou a carreira dele quanto líder populista, mas que não é um perfil tradicional do político britânico.”

 

 

 

 

 

 

O que Johnson precisa fazer para se manter no cargo?
Johnson foi a evento com crianças horas antes de festa de aniversário durante lockdown
Johnson foi a evento com crianças horas antes de festa de aniversário durante lockdown Andrew Parsons/10 Downing Street/AFP - 25.1.2022

 

 

 

 

 

Nesta semana, a alta funcionária do governo britânico Sue Gray deve divulgar um relatório completo sobre as festas organizadas por Johnson durante o lockdown. O inquérito deve trazer pontos desconhecidos pelo grande público, mas que dificilmente prejudicarão ainda mais a popularidade de Johnson.

Neste momento, o primeiro-ministro está tentando juntar aliados e fornecendo favores a parlamentares de diferentes seguimentos para reduzir os danos dos escândalos do governo e manter a governabilidade do Reino Unido.

“Johnson está tentando costurar alianças. Essa permanência dele depende, em boa parte, do partido dele”, explica Pavese, que destaca que reformas tributárias e ambientais podem ser aceleradas ou interrompidas na tentativa de agradar diferentes grupos de parlamentares.

Outro ponto que pode trazer folego para Johnson são as eleições locais, que acontecerão no próximo trimestre. Segundo Pavese, movimentações bruscas, como a queda do primeiro-ministro, podem alterar drasticamente os resultados do pleito — algo que deve ser evitado a todo custo pelos políticos do partido Conservador.

Para a especialista, Johnson não deve deixar o cargo até o fim do verão europeu, em setembro. Caberá a ele conseguir limpar sua imagem até lá e fazer com que os britânicos esqueçam todos estes escândalos.

“Ele sempre fez política minimizando impacto e a gravidade de suas ações, se colocando de uma forma como um grande sincerão, como um grande líder populista — o que tem um certo efeito positivo e que tem dado certo para ele até agora. Ele conseguiu chegar ao cargo de primeiro-ministro com esse perfil”, conclui Pavese.