Explosões, abrigo em bunker e indefinição: a apreensão de um brasileiro no segundo dia de guerra na Ucrânia

Vivendo na região de fronteira com a Rússia, o jogador de futebol Luan Martins aguarda em casa orientações da embaixada brasileira em Kiev: 'Sensação não é de desespero, mas estou esperando por alguma notícia pra poder ir embora'. Vista da janela de Luan Martins em Kharviv, no leste da Ucrânia Reprodução/Luan Martins "Por conta dos ataques em Kiev, eles falaram pra gente ficar em casa pelo menos um ou dois dias". Essa foi a última orientação dada pela embaixada brasileira na Ucrânia ao jogador de futebol Luan Martins, que mora em Kharviv, cidade na região de fronteira com a Rússia. O jovem, que é natural de Volta Redonda (RJ), está vivendo a expectativa de saber como vai deixar a Ucrânia em meio à invasão russa em todo o país. "Eles falaram comigo e com meu amigo que está aqui. Só que agora temos que esperar, porque hoje amanheceu tenso em Kiev. Falaram pra gente esperar hoje aqui, porque a situação não está boa. A sensação não é de desespero, mas estou esperando por alguma notícia pra podermos ir embora", disse Luan. O presidente Jair Bolsonaro publicou em seu perfil no Twitter uma orientação para os brasileiros que vivem no leste da Ucrânia. O pedido é para que, assim que as condições de segurança o permitam, eles se desloquem para Kiev e mantenham contato com a embaixada. Initial plugin text No entanto, como as tropas russas invadiram a capital nesta sexta-feira (25), a embaixada brasileira está orientando os brasileiros a ficarem em locais seguros e acompanharem as atualizações pelos canais oficiais no Facebook e Telegram. 25 de fevereiro - Destroços de uma aeronave não identificada que colidiu com uma casa em uma área residencial em Kiev, Ucrânia Umit Bektas/Reuters Explosões à noite e de manhã Brasileiro que vive no leste da Ucrânia relata bombardeios Ao g1, o brasileiro contou que vem escutando barulho de explosões de seu apartamento em Kharviv, onde se mantém abrigado (veja vídeo acima). "Não dá para ver nada na rua. Cidade está totalmente escura. Ontem, se eu gravasse o mesmo vídeo aqui, estaria tudo aceso. Há uns 40, 50 minutos, tiveram alguns bombardeios aqui, mas agora está tudo escuro e tudo quieto. Não tem nada aqui", relatou Luan, por volta de 23h30 de quinta-feira (horário local). LEIA TAMBÉM: AO VIVO: Acompanhe em tempo real a cobertura dos ataques PEDIDO DE AJUDA: 'Mala pronta, só tem que ter um jeito de ir embora' FOTOS: Veja imagens e a reação do povo ucraniano MAPA: Locais bombardeados pelos russos na Ucrânia "Cidade aparentemente tranquila. Hoje amanheceu nevando. Só que há uns 30 minutos soltaram bomba aqui. Não aqui no apartamento, mas em volta. Mas agora, aparentemente, tudo tranquilo", mostrou Luan, em um vídeo gravado às 11h30 (horário local) desta sexta-feira. Sempre que escuta barulho de explosões, Luan deixa o apartamento e se abriga em um bunker do próprio prédio onde mora. Luan durante a gravação do vídeo enviado ao g1 Arquivo pessoal 'A gente só vê isso em filme' Luan contou que nunca imaginou que presenciaria uma guerra e acreditava que conflitos deste tipo aconteciam apenas em ficções. "A gente só vê isso em filme, né?! Nunca imaginaria que aconteceria uma guerra", afirmou Luan. De acordo com o brasileiro, os moradores de Kharviv não imaginavam uma invasão da Rússia, "mas com as notícias de que as tropas russas já estavam na fronteira, creio que imaginaram algo". Antes da invasão russa, Luan descreveu Kharviv como uma "cidade bem iluminada, cidade bonita". "A vida era normal. Hoje, quando chega de noite, a cidade está silenciosa e escura", disse. Natural de Volta Redonda e atua no futebol ucraniano Luan jogava no Volta Redonda time de sua cidade natal, quando foi contratado pelo Volchansk, da terceira divisão ucraniana, em agosto de 2021. Ele vive em um apartamento com a esposa, Vanessa, que atualmente está no Brasil para resolver pendências na documentação. Luan está na Ucrânia desde agosto de 2021 Reprodução/Redes sociais "Não consegui dormir até agora. Estou muito preocupada com ele diante desta situação. O tempo todo em contato com ele para saber como estão as coisas por lá e ao mesmo tempo passando as informações que temos aqui, porque a informação que eles têm lá é muito precária", disse a esposa. Os campeonatos ucranianos foram oficialmente suspensos. Em curto comunicado no site oficial, a organização dos torneios atribuiu a decisão à lei marcial imposta na Ucrânia. As equipes também liberaram os jogadores dos treinamentos. Clique aqui e siga o g1 no Instagram VÍDEOS: as notícias que foram ao ar na TV Rio Sul

Explosões, abrigo em bunker e indefinição: a apreensão de um brasileiro no segundo dia de guerra na Ucrânia

Vivendo na região de fronteira com a Rússia, o jogador de futebol Luan Martins aguarda em casa orientações da embaixada brasileira em Kiev: 'Sensação não é de desespero, mas estou esperando por alguma notícia pra poder ir embora'. Vista da janela de Luan Martins em Kharviv, no leste da Ucrânia Reprodução/Luan Martins "Por conta dos ataques em Kiev, eles falaram pra gente ficar em casa pelo menos um ou dois dias". Essa foi a última orientação dada pela embaixada brasileira na Ucrânia ao jogador de futebol Luan Martins, que mora em Kharviv, cidade na região de fronteira com a Rússia. O jovem, que é natural de Volta Redonda (RJ), está vivendo a expectativa de saber como vai deixar a Ucrânia em meio à invasão russa em todo o país. "Eles falaram comigo e com meu amigo que está aqui. Só que agora temos que esperar, porque hoje amanheceu tenso em Kiev. Falaram pra gente esperar hoje aqui, porque a situação não está boa. A sensação não é de desespero, mas estou esperando por alguma notícia pra podermos ir embora", disse Luan. O presidente Jair Bolsonaro publicou em seu perfil no Twitter uma orientação para os brasileiros que vivem no leste da Ucrânia. O pedido é para que, assim que as condições de segurança o permitam, eles se desloquem para Kiev e mantenham contato com a embaixada. Initial plugin text No entanto, como as tropas russas invadiram a capital nesta sexta-feira (25), a embaixada brasileira está orientando os brasileiros a ficarem em locais seguros e acompanharem as atualizações pelos canais oficiais no Facebook e Telegram. 25 de fevereiro - Destroços de uma aeronave não identificada que colidiu com uma casa em uma área residencial em Kiev, Ucrânia Umit Bektas/Reuters Explosões à noite e de manhã Brasileiro que vive no leste da Ucrânia relata bombardeios Ao g1, o brasileiro contou que vem escutando barulho de explosões de seu apartamento em Kharviv, onde se mantém abrigado (veja vídeo acima). "Não dá para ver nada na rua. Cidade está totalmente escura. Ontem, se eu gravasse o mesmo vídeo aqui, estaria tudo aceso. Há uns 40, 50 minutos, tiveram alguns bombardeios aqui, mas agora está tudo escuro e tudo quieto. Não tem nada aqui", relatou Luan, por volta de 23h30 de quinta-feira (horário local). LEIA TAMBÉM: AO VIVO: Acompanhe em tempo real a cobertura dos ataques PEDIDO DE AJUDA: 'Mala pronta, só tem que ter um jeito de ir embora' FOTOS: Veja imagens e a reação do povo ucraniano MAPA: Locais bombardeados pelos russos na Ucrânia "Cidade aparentemente tranquila. Hoje amanheceu nevando. Só que há uns 30 minutos soltaram bomba aqui. Não aqui no apartamento, mas em volta. Mas agora, aparentemente, tudo tranquilo", mostrou Luan, em um vídeo gravado às 11h30 (horário local) desta sexta-feira. Sempre que escuta barulho de explosões, Luan deixa o apartamento e se abriga em um bunker do próprio prédio onde mora. Luan durante a gravação do vídeo enviado ao g1 Arquivo pessoal 'A gente só vê isso em filme' Luan contou que nunca imaginou que presenciaria uma guerra e acreditava que conflitos deste tipo aconteciam apenas em ficções. "A gente só vê isso em filme, né?! Nunca imaginaria que aconteceria uma guerra", afirmou Luan. De acordo com o brasileiro, os moradores de Kharviv não imaginavam uma invasão da Rússia, "mas com as notícias de que as tropas russas já estavam na fronteira, creio que imaginaram algo". Antes da invasão russa, Luan descreveu Kharviv como uma "cidade bem iluminada, cidade bonita". "A vida era normal. Hoje, quando chega de noite, a cidade está silenciosa e escura", disse. Natural de Volta Redonda e atua no futebol ucraniano Luan jogava no Volta Redonda time de sua cidade natal, quando foi contratado pelo Volchansk, da terceira divisão ucraniana, em agosto de 2021. Ele vive em um apartamento com a esposa, Vanessa, que atualmente está no Brasil para resolver pendências na documentação. Luan está na Ucrânia desde agosto de 2021 Reprodução/Redes sociais "Não consegui dormir até agora. Estou muito preocupada com ele diante desta situação. O tempo todo em contato com ele para saber como estão as coisas por lá e ao mesmo tempo passando as informações que temos aqui, porque a informação que eles têm lá é muito precária", disse a esposa. Os campeonatos ucranianos foram oficialmente suspensos. Em curto comunicado no site oficial, a organização dos torneios atribuiu a decisão à lei marcial imposta na Ucrânia. As equipes também liberaram os jogadores dos treinamentos. Clique aqui e siga o g1 no Instagram VÍDEOS: as notícias que foram ao ar na TV Rio Sul