EUA confiam que Finlândia e Suécia entrarão na Otan, apesar de veto turco

Finlândia e Suécia desejam entrar na Otan após invasão russa da Ucrânia Johanna Geron/Pool/AFP - 18.5.2022 O governo dos Estados Unidos mostrou confiança nesta quarta-feira (18) em que os aliados serão capazes de lidar com as preocupações da Turquia sobre a entrada na Otan de Finlândia e Suécia para que esses países possam aderir à Aliança. "Acho que [as coisas] vão correr bem", limitou-se a dizer o presidente dos EUA, Joe Biden, quando indagado por jornalistas sobre a forte oposição da Turquia à entrada na Otan desses países nórdicos, os quais acusa de apoiar "terroristas" curdos. Pouco depois, o conselheiro de segurança do governo americano, Jake Sullivan, afirmou em entrevista coletiva que a Casa Branca está otimista com as perspectivas de entrada dos países nórdicos, que hoje apresentaram suas respectivas solicitações na sede da Aliança Atlântica. Veja também Internacional Otan quer prolongar guerra para enfraquecer Rússia, diz Turquia Internacional Finlândia e Suécia apresentam pedidos de entrada na Otan Internacional Otan se diz otimista sobre adesão da Finlândia e da Suécia ao grupo "Estamos confiantes em que, em última análise, a Finlândia e a Suécia terão um processo de entrada eficaz e eficiente e que podemos atender às preocupações da Turquia", disse Sullivan, sem dar mais detalhes. O governo turco acusa a Finlândia, e especialmente a Suécia, de ser um santuário para "terroristas", referindo-se tanto aos membros do grupo guerrilheiro PKK, atuante na Turquia e reconhecido pelos EUA e União Europeia como terrorista, como às milícias Unidades de Proteção do Povo Sírio (YPG), que não têm essa consideração. Sullivan afirmou que a ideia de Finlândia e Suécia ingressarem na Otan teve apoio "unânime" da equipe de segurança nacional de Biden, que amanhã receberá, em Washington, a primeira-ministra sueca, Magdalena Andersson, e o presidente finlandês, Sauli Niinistö. Leia também Reino Unido: Finlândia e Suécia devem aderir à Otan 'o mais rápido possível' Rússia diz que candidaturas de Suécia e Finlândia à Otan são um 'grave erro' Rússia expulsa dois diplomatas finlandeses e sai do Conselho do Báltico Em comunicado, Biden se comprometeu a trabalhar para uma entrada "rápida" de Finlândia e Suécia na Otan, algo que requer ratificação pelo Congresso dos EUA, que espera votar a questão antes de agosto. A invasão russa da Ucrânia e as ameaças do Kremlin causaram uma mudança na posição da Finlândia e da Suécia, que decidiram pedir adesão à Otan após décadas de "não alinhamento".

EUA confiam que Finlândia e Suécia entrarão na Otan, apesar de veto turco
Finlândia e Suécia desejam entrar na Otan após invasão russa da Ucrânia
Finlândia e Suécia desejam entrar na Otan após invasão russa da Ucrânia Johanna Geron/Pool/AFP - 18.5.2022

O governo dos Estados Unidos mostrou confiança nesta quarta-feira (18) em que os aliados serão capazes de lidar com as preocupações da Turquia sobre a entrada na Otan de Finlândia e Suécia para que esses países possam aderir à Aliança.

"Acho que [as coisas] vão correr bem", limitou-se a dizer o presidente dos EUA, Joe Biden, quando indagado por jornalistas sobre a forte oposição da Turquia à entrada na Otan desses países nórdicos, os quais acusa de apoiar "terroristas" curdos.

Pouco depois, o conselheiro de segurança do governo americano, Jake Sullivan, afirmou em entrevista coletiva que a Casa Branca está otimista com as perspectivas de entrada dos países nórdicos, que hoje apresentaram suas respectivas solicitações na sede da Aliança Atlântica.

"Estamos confiantes em que, em última análise, a Finlândia e a Suécia terão um processo de entrada eficaz e eficiente e que podemos atender às preocupações da Turquia", disse Sullivan, sem dar mais detalhes.

O governo turco acusa a Finlândia, e especialmente a Suécia, de ser um santuário para "terroristas", referindo-se tanto aos membros do grupo guerrilheiro PKK, atuante na Turquia e reconhecido pelos EUA e União Europeia como terrorista, como às milícias Unidades de Proteção do Povo Sírio (YPG), que não têm essa consideração.

Sullivan afirmou que a ideia de Finlândia e Suécia ingressarem na Otan teve apoio "unânime" da equipe de segurança nacional de Biden, que amanhã receberá, em Washington, a primeira-ministra sueca, Magdalena Andersson, e o presidente finlandês, Sauli Niinistö.

Em comunicado, Biden se comprometeu a trabalhar para uma entrada "rápida" de Finlândia e Suécia na Otan, algo que requer ratificação pelo Congresso dos EUA, que espera votar a questão antes de agosto.

A invasão russa da Ucrânia e as ameaças do Kremlin causaram uma mudança na posição da Finlândia e da Suécia, que decidiram pedir adesão à Otan após décadas de "não alinhamento".