Compra de imóvel: saiba como escolher para não transformar o sonho em pesadelo

Corretor de imóveis aponta aspectos que devem ser levados em conta durante todo o processo, desde a escolha até o recebimento das chaves. Taxa de juros e benefícios ofertados pelo Banese são uma excelente oportunidade para concretizar o sonho da casa própria. Divulgação – Ascom Grupo Banese Analisar, planejar, escolher e economizar. Estes são os quatro principais verbos no vocabulário de quem busca adquirir a tão sonhada casa própria. Analisar as condições financeiras para que todos os custos da compra caibam no orçamento; planejar a melhor forma de aquisição do imóvel; escolher o que atenderá às necessidades dos futuros moradores; e encontrar soluções que permitam ao comprador, ao final do processo, economizar por ter encontrado o melhor custo-benefício para a compra. Segundo o corretor de imóveis Rodrigo Calfa, é necessário pesquisar, comparar e reunir informações para que o sonho da casa própria não se transforme em um pesadelo. “Comprar um imóvel é sempre um passo muito importante na vida de qualquer pessoa. Mas, é essencial tomar essa decisão de forma planejada para que sustos não aconteçam ao longo do caminho”, avisa. O boom da Construção Civil, registrado principalmente no ano de 2010, e o reaquecimento do setor com a redução dos índices da Covid-19 no país fizeram com que o mercado passasse a ter uma maior disponibilidade de imóveis novos, seminovos e na planta. Com tantas opções, surge a pergunta: qual desses seria o mais vantajoso? Rodrigo Calfa explica que, neste caso, a noção de vantagem está diretamente ligada a fatores como localização, posição solar, prazo de entrega (no caso de imóveis na planta) e qualidade da construção. De acordo com especialista, cada tipo de imóvel exige uma avaliação dos prós e contras, que ele elenca para ajudar na hora da decisão. O imóvel novo tem como ponto positivo o fato de o comprador ocupar o local imediatamente, porém, é necessário desembolsar o valor da entrada, que geralmente é caro e não parcelado. O seminovo também conta com o benefício da disponibilidade rápida para ocupação, contudo, por ser usado, o comprador deve avaliar as condições da construção para evitar dores de cabeça. Assim como nos imóveis novos, a principal desvantagem é o valor a ser pago na entrada. Para os compradores que escolherem o Banese como agente financiador, esse valor de entrada pode ser reduzido, uma vez que o banco pode financiar até 90% do valor total do imóvel novo ou seminovo, com prazo de pagamento de até 35 anos. Tempo para se organizar Quem optar por adquirir uma casa ou apartamento ainda na planta terá como benefícios o preço mais em conta e o pagamento facilitado, portanto, uma melhor organização financeira. Também terá o bônus de escolher a futura moradia dentro da capacidade de pagamento que possui, e das características estruturais que melhor atenderão às necessidades da família. O ônus desse tipo de escolha reside, principalmente, no risco de alta dos materiais, o que interfere diretamente na correção das parcelas. “Porém, o que considero mais importante em qualquer um dos casos é o planejamento financeiro. Se o cliente possuir uma poupança disponível ficará mais à vontade para escolher, levando em consideração o que é mais importante de acordo com a necessidade dele naquele momento”, evidencia Rodrigo Calfa. Ele afirma que além da questão financeira, o comprador também tem que levar em consideração itens inerentes à própria construção, sendo os mais relevantes o tamanho, a quantidade de cômodos e a posição solar (em caso de apartamento, a Leste é mais ventilada, e a Oeste possui mais incidência solar). Gastos extras e oportunidade Ao falar sobre o financiamento, Rodrigo Calfa pontua que os principais e mais importantes itens a serem observados no momento de escolher a instituição financiadora são a taxa de juros e a correção aplicada no saldo devedor, uma vez que há grande variação no mercado. Mas, existe uma opção para usufruir de taxas menores, mesmo após a assinatura do contrato junto ao agente credor, que é a portabilidade do financiamento, a exemplo do que está sendo oferecido pelo Banese em uma campanha especial, que acontece até o dia 31 de dezembro, dentro das comemorações pelos 60 anos da instituição. As taxas de juros praticadas pelo banco são a partir de 6.4% a.a., e as pessoas que portarem o financiamento imobiliário para a instituição no período da campanha terão a garantia da manutenção desta condição até o final do ano. Esteja ciente de que a compra da tão sonhada casa própria exige gastos extras referentes a taxas existentes, que não estão inclusas no preço anunciado pelo vendedor, e cujos valores variam de acordo com a forma de pagamento. São taxas obrigatórias para a transação de compra imobiliária: o Imposto de Transmissão de Bem Imóvel (ITBI), pago à prefeitura e que corresponde a 2% do valor total do imóvel; e a taxa de registro, que também é variável e depende da faixa de preço do que está sendo adquirido, mas, em geral, gira sempre em torno

Compra de imóvel: saiba como escolher para não transformar o sonho em pesadelo

Corretor de imóveis aponta aspectos que devem ser levados em conta durante todo o processo, desde a escolha até o recebimento das chaves. Taxa de juros e benefícios ofertados pelo Banese são uma excelente oportunidade para concretizar o sonho da casa própria. Divulgação – Ascom Grupo Banese Analisar, planejar, escolher e economizar. Estes são os quatro principais verbos no vocabulário de quem busca adquirir a tão sonhada casa própria. Analisar as condições financeiras para que todos os custos da compra caibam no orçamento; planejar a melhor forma de aquisição do imóvel; escolher o que atenderá às necessidades dos futuros moradores; e encontrar soluções que permitam ao comprador, ao final do processo, economizar por ter encontrado o melhor custo-benefício para a compra. Segundo o corretor de imóveis Rodrigo Calfa, é necessário pesquisar, comparar e reunir informações para que o sonho da casa própria não se transforme em um pesadelo. “Comprar um imóvel é sempre um passo muito importante na vida de qualquer pessoa. Mas, é essencial tomar essa decisão de forma planejada para que sustos não aconteçam ao longo do caminho”, avisa. O boom da Construção Civil, registrado principalmente no ano de 2010, e o reaquecimento do setor com a redução dos índices da Covid-19 no país fizeram com que o mercado passasse a ter uma maior disponibilidade de imóveis novos, seminovos e na planta. Com tantas opções, surge a pergunta: qual desses seria o mais vantajoso? Rodrigo Calfa explica que, neste caso, a noção de vantagem está diretamente ligada a fatores como localização, posição solar, prazo de entrega (no caso de imóveis na planta) e qualidade da construção. De acordo com especialista, cada tipo de imóvel exige uma avaliação dos prós e contras, que ele elenca para ajudar na hora da decisão. O imóvel novo tem como ponto positivo o fato de o comprador ocupar o local imediatamente, porém, é necessário desembolsar o valor da entrada, que geralmente é caro e não parcelado. O seminovo também conta com o benefício da disponibilidade rápida para ocupação, contudo, por ser usado, o comprador deve avaliar as condições da construção para evitar dores de cabeça. Assim como nos imóveis novos, a principal desvantagem é o valor a ser pago na entrada. Para os compradores que escolherem o Banese como agente financiador, esse valor de entrada pode ser reduzido, uma vez que o banco pode financiar até 90% do valor total do imóvel novo ou seminovo, com prazo de pagamento de até 35 anos. Tempo para se organizar Quem optar por adquirir uma casa ou apartamento ainda na planta terá como benefícios o preço mais em conta e o pagamento facilitado, portanto, uma melhor organização financeira. Também terá o bônus de escolher a futura moradia dentro da capacidade de pagamento que possui, e das características estruturais que melhor atenderão às necessidades da família. O ônus desse tipo de escolha reside, principalmente, no risco de alta dos materiais, o que interfere diretamente na correção das parcelas. “Porém, o que considero mais importante em qualquer um dos casos é o planejamento financeiro. Se o cliente possuir uma poupança disponível ficará mais à vontade para escolher, levando em consideração o que é mais importante de acordo com a necessidade dele naquele momento”, evidencia Rodrigo Calfa. Ele afirma que além da questão financeira, o comprador também tem que levar em consideração itens inerentes à própria construção, sendo os mais relevantes o tamanho, a quantidade de cômodos e a posição solar (em caso de apartamento, a Leste é mais ventilada, e a Oeste possui mais incidência solar). Gastos extras e oportunidade Ao falar sobre o financiamento, Rodrigo Calfa pontua que os principais e mais importantes itens a serem observados no momento de escolher a instituição financiadora são a taxa de juros e a correção aplicada no saldo devedor, uma vez que há grande variação no mercado. Mas, existe uma opção para usufruir de taxas menores, mesmo após a assinatura do contrato junto ao agente credor, que é a portabilidade do financiamento, a exemplo do que está sendo oferecido pelo Banese em uma campanha especial, que acontece até o dia 31 de dezembro, dentro das comemorações pelos 60 anos da instituição. As taxas de juros praticadas pelo banco são a partir de 6.4% a.a., e as pessoas que portarem o financiamento imobiliário para a instituição no período da campanha terão a garantia da manutenção desta condição até o final do ano. Esteja ciente de que a compra da tão sonhada casa própria exige gastos extras referentes a taxas existentes, que não estão inclusas no preço anunciado pelo vendedor, e cujos valores variam de acordo com a forma de pagamento. São taxas obrigatórias para a transação de compra imobiliária: o Imposto de Transmissão de Bem Imóvel (ITBI), pago à prefeitura e que corresponde a 2% do valor total do imóvel; e a taxa de registro, que também é variável e depende da faixa de preço do que está sendo adquirido, mas, em geral, gira sempre em torno de 1,5%. Se a compra do imóvel for financiada, existe ainda a taxa de avaliação, que varia de acordo com cada instituição financeira e seguro, e corresponde, geralmente, a 1% do preço do bem adquirido. Para as pessoas que realizarem a portabilidade do financiamento imobiliário para o Banese, dentro do período da campanha especial, estão sendo ofertadas pelo banco a isenção da taxa de avaliação; o pagamento da taxa de averbação cartorária do imóvel; seguro-residencial gratuito por um ano; e possibilidade de contratação de empréstimo CDC com condições especiais para a compra dos móveis. Fique de olho Além do pagamento das taxas, o comprador também deve estar com toda a documentação exigida em dia. Dentre os documentos necessários estão os pessoais, comprovante de estado civil, residência e renda. Também são exigidas as documentações do vendedor e do imóvel. Seja qual for a sua escolha de imóvel (novo, seminovo ou na planta), é importante estar alerta, também, a um passo que será fundamental para o seu bem-estar: a vistoria. “Ao receber as chaves do imóvel esteja atento para confirmar se recebeu tudo o que lhe foi vendido, e se tudo está funcionando direito. No seminovo, é sempre bom vistoriar com atenção e perceber se há problemas pré-existentes, como por exemplo, infiltração ou de ordem estrutural”, alerta o corretor de imóveis. Ascom Grupo Banese