Como cuidar da saúde no inverno? Profissionais em Juiz de Fora falam sobre os problemas físicos e mentais

Estação pode desencadear várias doenças respiratórias e até mesmo emocionais. Confira dicas e o que fazer. Frio, foto ilustrativa Reprodução/Freepik O inverno começou na última terça-feira (21) com a previsão de baixas temperaturas e nevoeiro pela manhã para as regiões da Zona da Mata e do Campo das Vertentes. Durante a estação, surgem doenças respiratórias e emocionais. Para saber como lidar durante o período, o g1 conversou com profissionais da Saúde em Juiz de Fora. Confira abaixo dicas e o que fazer. Leia também: Inverno começa com previsão de céu nublado e sem chuvas na Zona da Mata e Vertentes Inverno começa no Brasil e meteorologista diz quando deve chegar a onda de frio mais intensa da estação Problemas respiratórios De acordo com a médica Monik Espindola, que é mestre em Saúde Brasileira e atua como otorrinolaringologista, o inverno pode desencadear vários problemas respiratórios, seja pelo ar seco, falta de ventilação ou até mesmo a falta de higienização correta. "A queda da temperatura aliada a baixa umidade do ar e ao confinamento em ambientes fechados no inverno propiciam um meio favorável para a disseminação de vírus e bactérias. Crianças e idosos sofrem especialmente com essas oscilações nos termômetros, já que possuem o sistema imunológico mais frágeis", explicou. Ao g1, a especialista ainda contou que vários problemas surgem durante o período. Os mais comuns são: resfriados: infecções acusadas por vírus que levam a sintomas brandos e de curta duração; gripe: os sintomas são mais intensos como, por exemplo, dor no corpo, febre. A duração pode chegar a 1 semana; rinossinusites agudas: inflamação dos seios da face, causada por vírus ou bactérias; exacerbação de rinite alérgica: piora da obstrução nasal e coriza; otites: principalmente em crianças abaixo de 5 anos; crises de asma: quadros de tosse e falta de ar. Como tratar? Conforme Monik Espindola, algumas atitudes podem prevenir doenças no inverno. Veja abaixo algumas delas: fazer higienização das mãos; evitar locais confinados e com grande concentração de pessoas; hidratação adequada; prática de atividade física; alimentação saudável; vacinação. A médica orienta que em caso de sintomas mais intensos é necessário procurar atendimento médico. "Não é recomendado a automedicação. Pacientes idosos com comorbidades e crianças precisam ir a um serviço especializado mais precocemente", concluiu. Frio pode causar tristeza e ansiedade Segundo a psicóloga Thaynara Campos, o frio intenso pode gerar tristeza e ansiedade nas pessoas. Além disso, a falta da vitamina D leva ao cansaço e desânimo. "É comum que no inverno algumas pessoas sintam-se menos dispostas, mais cansadas, com mais sono, irritação e com alterações de humor mais intensas, podendo perceber com mais facilidade emoções como tristeza e ansiedade. Isso acontece porque nessa estação há uma redução da exposição à luz solar, o que, consequentemente, diminui a produção de duas substâncias, serotonina e melatonina, importantes para a regulação do humor e do sono, respectivamente. Além disso, também sabemos que nosso corpo produz vitamina D em resposta a essa exposição. Desse modo, quando o nível dessa vitamina reduz, é esperado que sensações de cansaço e sono aumentem", explicou. A profissional também pondera que uma alimentação saudável e a atividade física são necessárias e importantes na prevenção de sintomas emocionais. "O mais indicado é tentar manter uma rotina de sono, exercícios físicos e alimentação saudável, buscando encontrar um equilíbrio entre a saúde física e saúde mental. Além disso, medidas como manter as janelas, persianas e cortinas abertas durante o dia, sentar-se próximo à janela para ficar em contato com os raios solares ou fazer uma caminhada em ambientes aberto podem ajudar na redução desses sintomas", complementou. Ainda conforme Thaynara, a pessoa deve procurar ajuda de um profissional quando perceber que há perda de interesse em realizar atividades, dificuldade de concentração, alterações no apetite, irritabilidade ou diminuição das interações sociais. "A situação pode ser caracterizada como transtorno afetivo sazonal ou depressão sazonal, o qual tem a ocorrência relacionada nas estações mais frias. É importante sempre estar atento aos sinais e procurar um tratamento psicológico", finalizou. VÍDEOS: veja tudo sobre a Zona da Mata e Campos das Vertentes

Como cuidar da saúde no inverno? Profissionais em Juiz de Fora falam sobre os problemas físicos e mentais

Estação pode desencadear várias doenças respiratórias e até mesmo emocionais. Confira dicas e o que fazer. Frio, foto ilustrativa Reprodução/Freepik O inverno começou na última terça-feira (21) com a previsão de baixas temperaturas e nevoeiro pela manhã para as regiões da Zona da Mata e do Campo das Vertentes. Durante a estação, surgem doenças respiratórias e emocionais. Para saber como lidar durante o período, o g1 conversou com profissionais da Saúde em Juiz de Fora. Confira abaixo dicas e o que fazer. Leia também: Inverno começa com previsão de céu nublado e sem chuvas na Zona da Mata e Vertentes Inverno começa no Brasil e meteorologista diz quando deve chegar a onda de frio mais intensa da estação Problemas respiratórios De acordo com a médica Monik Espindola, que é mestre em Saúde Brasileira e atua como otorrinolaringologista, o inverno pode desencadear vários problemas respiratórios, seja pelo ar seco, falta de ventilação ou até mesmo a falta de higienização correta. "A queda da temperatura aliada a baixa umidade do ar e ao confinamento em ambientes fechados no inverno propiciam um meio favorável para a disseminação de vírus e bactérias. Crianças e idosos sofrem especialmente com essas oscilações nos termômetros, já que possuem o sistema imunológico mais frágeis", explicou. Ao g1, a especialista ainda contou que vários problemas surgem durante o período. Os mais comuns são: resfriados: infecções acusadas por vírus que levam a sintomas brandos e de curta duração; gripe: os sintomas são mais intensos como, por exemplo, dor no corpo, febre. A duração pode chegar a 1 semana; rinossinusites agudas: inflamação dos seios da face, causada por vírus ou bactérias; exacerbação de rinite alérgica: piora da obstrução nasal e coriza; otites: principalmente em crianças abaixo de 5 anos; crises de asma: quadros de tosse e falta de ar. Como tratar? Conforme Monik Espindola, algumas atitudes podem prevenir doenças no inverno. Veja abaixo algumas delas: fazer higienização das mãos; evitar locais confinados e com grande concentração de pessoas; hidratação adequada; prática de atividade física; alimentação saudável; vacinação. A médica orienta que em caso de sintomas mais intensos é necessário procurar atendimento médico. "Não é recomendado a automedicação. Pacientes idosos com comorbidades e crianças precisam ir a um serviço especializado mais precocemente", concluiu. Frio pode causar tristeza e ansiedade Segundo a psicóloga Thaynara Campos, o frio intenso pode gerar tristeza e ansiedade nas pessoas. Além disso, a falta da vitamina D leva ao cansaço e desânimo. "É comum que no inverno algumas pessoas sintam-se menos dispostas, mais cansadas, com mais sono, irritação e com alterações de humor mais intensas, podendo perceber com mais facilidade emoções como tristeza e ansiedade. Isso acontece porque nessa estação há uma redução da exposição à luz solar, o que, consequentemente, diminui a produção de duas substâncias, serotonina e melatonina, importantes para a regulação do humor e do sono, respectivamente. Além disso, também sabemos que nosso corpo produz vitamina D em resposta a essa exposição. Desse modo, quando o nível dessa vitamina reduz, é esperado que sensações de cansaço e sono aumentem", explicou. A profissional também pondera que uma alimentação saudável e a atividade física são necessárias e importantes na prevenção de sintomas emocionais. "O mais indicado é tentar manter uma rotina de sono, exercícios físicos e alimentação saudável, buscando encontrar um equilíbrio entre a saúde física e saúde mental. Além disso, medidas como manter as janelas, persianas e cortinas abertas durante o dia, sentar-se próximo à janela para ficar em contato com os raios solares ou fazer uma caminhada em ambientes aberto podem ajudar na redução desses sintomas", complementou. Ainda conforme Thaynara, a pessoa deve procurar ajuda de um profissional quando perceber que há perda de interesse em realizar atividades, dificuldade de concentração, alterações no apetite, irritabilidade ou diminuição das interações sociais. "A situação pode ser caracterizada como transtorno afetivo sazonal ou depressão sazonal, o qual tem a ocorrência relacionada nas estações mais frias. É importante sempre estar atento aos sinais e procurar um tratamento psicológico", finalizou. VÍDEOS: veja tudo sobre a Zona da Mata e Campos das Vertentes