Câmara aprova urgência a projeto que regula homeschooling

Plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados - 18.05.2022 A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (18) um requerimento de urgência para o projeto de lei que regulamenta a educação básica em casa, chamada de homeschooling. Com isso, o texto poderá ser analisado diretamente no plenário, sem a necessidade de que tenha a aprovação de comissões da Câmara. A votação pode ocorrer ainda nesta noite. A proposta é uma das prioridades do presidente Jair Bolsonaro (PL) para este ano. Em 2019, o Executivo encaminhou um projeto ao Congresso Nacional para disciplinar o homeschooling. Como outras matérias sobre o assunto já tramitavam no Parlamento, o texto do governo foi juntado às demais proposições. Veja também Brasília Ministro diz que vê com 'estranheza' União Europeia acompanhar eleições Brasília Bolsonaro entra com representação contra Moraes na PGR Brasília Tribunal de Contas da União aprova privatização da Eletrobras De acordo com o relatório final dos projetos, elaborado pela deputada Luisa Canziani (PSD-PR), a educação básica domiciliar será admitida no Brasil por livre escolha e sob a responsabilidade dos pais ou responsáveis legais dos estudantes. O Conselho Nacional de Educação (CNE) editará diretrizes nacionais, e os sistemas de ensino adotarão providências que assegurem e viabilizem o exercício do direito de opção pelo homeschooling. Para formalizar a opção, pais e responsáveis devem apresentar à instituição de ensino comprovação de escolaridade de nível superior ou em educação profissional tecnológica e certidões criminais negativas. A escola que oferecer o ensino domiciliar terá de cumprir com os conteúdos curriculares referentes ao ano escolar do estudante, de acordo com a Base Nacional Comum Curricular, bem como realizar atividades pedagógicas que promovam a formação integral do estudante, contemplando seu desenvolvimento intelectual, emocional, físico, social e cultural. Nada impede que os pais ofereçam atividades extras, como cursos de línguas ou arte. Leia também Ministério da Saúde inclui novos tratamentos de câncer no SUS  Projeto de lei que permite educação em casa pode ser acelerado na Câmara Leis locais de ensino domiciliar avançam, mas param na Justiça Será necessário que os colégios garantam a isonomia de direitos e vedem qualquer espécie de discriminação entre crianças e adolescentes que recebam educação escolar e educação domiciliar, inclusive no que se refere à participação em concursos, competições, eventos pedagógicos, esportivos e culturais, bem como, no caso dos estudantes com direito a educação especial, acesso igualitário a salas de atendimento educacional especializado e outros recursos de educação especial. Os responsáveis pelos alunos precisarão enviar à escola relatórios trimestrais das atividades pedagógicas realizadas pelo estudante. O desenvolvimento do aluno terá de ser acompanhado por um professor da instituição de ensino, que a cada seis meses terá que encontrar o estudante e a família pessoalmente. A escola ainda terá de realizar avaliações de aprendizagem e participação do estudante quando for selecionada para participar dos exames do sistema nacional de avaliação da educação básica e, quando houver, dos exames do sistema estadual ou sistema municipal de avaliação da educação básica. De acordo com a proposta, o ensino fundamental continuará presencial, sendo o ensino a distância utilizado como complementação da aprendizagem ou em situações emergenciais. Histórico e regulamentação O homeschooling foi uma das bandeiras da campanha de Bolsonaro. O projeto que regulamenta a prática no país já foi aprovado na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara. A votação em urgência permite que o projeto seja discutido em plenário, sem a necessidade de passar por comissões. Em 2018, o STF (Supremo Tribunal Federal) concluiu que ensinar os filhos em casa não feria a Constituição. No entanto, exigiu uma regulamentação para que a prática pudesse ser adotada no Brasil. Coube à deputada Luísa Canziani elaborar um texto com balizas que famílias interessadas em ensinar os filhos em casa pudessem seguir. Entre os pontos em destaque está a necessidade de que crianças e adolescentes estejam vinculados a uma escola, pública ou privada, mesmo que não a frequentem. Caberá aos pais ou responsáveis o c

Câmara aprova urgência a projeto que regula homeschooling
Plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília
Plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados - 18.05.2022

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (18) um requerimento de urgência para o projeto de lei que regulamenta a educação básica em casa, chamada de homeschooling. Com isso, o texto poderá ser analisado diretamente no plenário, sem a necessidade de que tenha a aprovação de comissões da Câmara. A votação pode ocorrer ainda nesta noite.

A proposta é uma das prioridades do presidente Jair Bolsonaro (PL) para este ano. Em 2019, o Executivo encaminhou um projeto ao Congresso Nacional para disciplinar o homeschooling. Como outras matérias sobre o assunto já tramitavam no Parlamento, o texto do governo foi juntado às demais proposições.

De acordo com o relatório final dos projetos, elaborado pela deputada Luisa Canziani (PSD-PR), a educação básica domiciliar será admitida no Brasil por livre escolha e sob a responsabilidade dos pais ou responsáveis legais dos estudantes. O Conselho Nacional de Educação (CNE) editará diretrizes nacionais, e os sistemas de ensino adotarão providências que assegurem e viabilizem o exercício do direito de opção pelo homeschooling.

Para formalizar a opção, pais e responsáveis devem apresentar à instituição de ensino comprovação de escolaridade de nível superior ou em educação profissional tecnológica e certidões criminais negativas.

A escola que oferecer o ensino domiciliar terá de cumprir com os conteúdos curriculares referentes ao ano escolar do estudante, de acordo com a Base Nacional Comum Curricular, bem como realizar atividades pedagógicas que promovam a formação integral do estudante, contemplando seu desenvolvimento intelectual, emocional, físico, social e cultural. Nada impede que os pais ofereçam atividades extras, como cursos de línguas ou arte.

Será necessário que os colégios garantam a isonomia de direitos e vedem qualquer espécie de discriminação entre crianças e adolescentes que recebam educação escolar e educação domiciliar, inclusive no que se refere à participação em concursos, competições, eventos pedagógicos, esportivos e culturais, bem como, no caso dos estudantes com direito a educação especial, acesso igualitário a salas de atendimento educacional especializado e outros recursos de educação especial.

Os responsáveis pelos alunos precisarão enviar à escola relatórios trimestrais das atividades pedagógicas realizadas pelo estudante. O desenvolvimento do aluno terá de ser acompanhado por um professor da instituição de ensino, que a cada seis meses terá que encontrar o estudante e a família pessoalmente.

A escola ainda terá de realizar avaliações de aprendizagem e participação do estudante quando for selecionada para participar dos exames do sistema nacional de avaliação da educação básica e, quando houver, dos exames do sistema estadual ou sistema municipal de avaliação da educação básica.

De acordo com a proposta, o ensino fundamental continuará presencial, sendo o ensino a distância utilizado como complementação da aprendizagem ou em situações emergenciais.

Histórico e regulamentação

O homeschooling foi uma das bandeiras da campanha de Bolsonaro. O projeto que regulamenta a prática no país já foi aprovado na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara.

A votação em urgência permite que o projeto seja discutido em plenário, sem a necessidade de passar por comissões.

Em 2018, o STF (Supremo Tribunal Federal) concluiu que ensinar os filhos em casa não feria a Constituição. No entanto, exigiu uma regulamentação para que a prática pudesse ser adotada no Brasil.

Coube à deputada Luísa Canziani elaborar um texto com balizas que famílias interessadas em ensinar os filhos em casa pudessem seguir. Entre os pontos em destaque está a necessidade de que crianças e adolescentes estejam vinculados a uma escola, pública ou privada, mesmo que não a frequentem. Caberá aos pais ou responsáveis o controle da frequência e da aprendizagem. As atividades desenvolvidas em casa deverão ser encaminhadas às escolas em que as crianças ou adolescentes estejam matriculados.

Polêmica

A educação domiciliar é um assunto polêmico em todo o mundo. Nos Estados Unidos, a prática é regulamentada; na Suécia, porém, ela é considerada crime.

No Brasil, de acordo com a Aned (Associação Nacional do Ensino Domiciliar), 11 mil famílias seguem esse modelo de ensino. As famílias argumentam que o homeschooling garante maior autonomia na educação dos filhos. Para educadores, não há como garantir a qualidade de ensino e a prática pode afetar o desenvolvimento de competências socioemocionais.

homeschooling ou ensino domiciliar, a pol\u00eamica \u00e9 ainda maior","content":"","position":0},{"width":780,"height":536,"url":"https://img.r7.com/images/homeschooling-31082018134110902","author":"Pixabay","subtitle":"Quem est\u00e1 de fora acredita que as aulas dentro de casa abrem espa\u00e7o para a displic\u00eancia e at\u00e9 certa bagun\u00e7a. Por\u00e9m, apesar de n\u00e3o ter a rigidez de uma escola, as fam\u00edlias que optam pelo ensino domiciliar colocam a disciplina em primeiro lugar","content":"","position":1},{"width":780,"height":536,"url":"https://img.r7.com/images/homeschooling-31082018134110700","author":"Pixabay","subtitle":"Al\u00e9m dos conte\u00fados acad\u00eamicos, os alunos tamb\u00e9m costumam ter um importante aprendizado de valores e ainda estreitam a rela\u00e7\u00e3o com os pais, que geralmente exercem a fun\u00e7\u00e3o de professores","content":"","position":2},{"width":780,"height":536,"url":"https://img.r7.com/images/homeschooling-31082018134110452","author":"Pixabay","subtitle":"O homeschooling \u00e9 uma pr\u00e1tica comum em muitos pa\u00edses e s\u00f3 no Brasil existem cerca de 7.500 fam\u00edlias que aderiram a esse formato para educar os filhos 
","content":"","position":3},{"width":780,"height":536,"url":"https://img.r7.com/images/homeschooling-31082018134110242","author":"Pixabay","subtitle":"Nunca \u00e9 demais lembrar que essa pr\u00e1tica n\u00e3o \u00e9 legalizada e no Brasil as crian\u00e7as devem, obrigatoriamente, estar matriculadas em uma escola a partir dos 4 anos de idade","content":"","position":4},{"width":780,"height":536,"url":"https://img.r7.com/images/homeschooling-31082018140012608","author":"Pixabay","subtitle":"A decis\u00e3o de tirar as crian\u00e7as da escola para o ensino domiciliar gera pol\u00eamicas: 'As escolas t\u00eam grav\u00edssimos problemas do ponto de vista ensino-aprendizagem. Primeiro, que ela uniformiza as crian\u00e7as, aos mesmo tempo, s\u00e3o obrigadas a ter o mesmo desenvolvimento e focar nos mesmos conte\u00fados', comenta Edison Prado, especialista em educa\u00e7\u00e3o familiar","content":"","position":5},{"width":780,"height":536,"url":"https://img.r7.com/images/homeschooling-31082018140012047","author":"Pixabay","subtitle":"J\u00e1 especialistas contr\u00e1rios ao homeschooling apontam como ponto desfavor\u00e1vel o preju\u00edzo \u00e0 socializa\u00e7\u00e3o de crian\u00e7as e adolescentes. 'A escola \u00e9 um grande laborat\u00f3rio relacional', diz a pedagoga Fernanda Sobreira.

O SP no Ar \u00e9 exibido de segunda a sexta-feira, \u00e0s 7h, na tela da Record TV

Acesse \u00e0 integra e reportagens no PlayPlus.com","content":"","position":6}]" data-article-gallery-url="http://recordtv.r7.com/sp-no-ar/fotos/conheca-pros-e-contras-do-homeschooling-22102018" style="clear:both;">