Cadastro de fornecedores de ouro e nota eletrônica podem evitar comércio ilegal

A rastreabilidade do ouro é uma das formas para combater a extração ilegal do minério, garantindo uma produção mais sustentável e regulamentada. Atualmente, estima-se que 19% do ouro exportado do Brasil seja de garimpos ilegais, o que prejudica a imagem do país. O Instituto Somos do Minério trabalha com propostas que possam garantir avanços no setor de mineração e permitir que as minas sejam reconhecidas internacionalmente. Quer ficar bem informado em tempo real? Entre no nosso grupo e receba todas as noticias (ACESSE AQUI). O presidente do instituto, Roberto Cavalcanti, explica que trabalha junto à Agência Nacional de Mineração (ANM), reguladora do setor, para implantação de um cadastro eletrônico dos fornecedores de ouro. Eles serão registrados na Receita Federal, permitindo a implantação da nota fiscal eletrônica. “Tendo um cadastro de fornecedores do chamado garimpo legal, ou seja, que possuem a lavra garimpeira, chamada PLG, você consegue fazer a rastreabilidade do ouro, colocando, efetivamente, limites na atuação marginal desse mercado, que corresponde, a mais ou menos, 19% do total de ouro exportado”, explicou o presidente, em entrevista à Rádio Jovem Pan. Outra preocupação apontada por Roberto é com relação ao narcotráfico, que podem acabar assumindo garimpos ilegais, como há registro de situações em Roraima. Isto poderia reproduzir o que ocorreu na Colômbia. “Então as autoridades têm que estar atentas à fiscalização, tanto em nível da Ag&ecir...

Cadastro de fornecedores de ouro e nota eletrônica podem evitar comércio ilegal
A rastreabilidade do ouro é uma das formas para combater a extração ilegal do minério, garantindo uma produção mais sustentável e regulamentada. Atualmente, estima-se que 19% do ouro exportado do Brasil seja de garimpos ilegais, o que prejudica a imagem do país. O Instituto Somos do Minério trabalha com propostas que possam garantir avanços no setor de mineração e permitir que as minas sejam reconhecidas internacionalmente. Quer ficar bem informado em tempo real? Entre no nosso grupo e receba todas as noticias (ACESSE AQUI). O presidente do instituto, Roberto Cavalcanti, explica que trabalha junto à Agência Nacional de Mineração (ANM), reguladora do setor, para implantação de um cadastro eletrônico dos fornecedores de ouro. Eles serão registrados na Receita Federal, permitindo a implantação da nota fiscal eletrônica. “Tendo um cadastro de fornecedores do chamado garimpo legal, ou seja, que possuem a lavra garimpeira, chamada PLG, você consegue fazer a rastreabilidade do ouro, colocando, efetivamente, limites na atuação marginal desse mercado, que corresponde, a mais ou menos, 19% do total de ouro exportado”, explicou o presidente, em entrevista à Rádio Jovem Pan. Outra preocupação apontada por Roberto é com relação ao narcotráfico, que podem acabar assumindo garimpos ilegais, como há registro de situações em Roraima. Isto poderia reproduzir o que ocorreu na Colômbia. “Então as autoridades têm que estar atentas à fiscalização, tanto em nível da Ag&ecir...