Bolívia: 32 crianças são internadas com intoxicação alimentar em Santa Cruz de la Sierra

Leite pode ser causa da contaminação Google Maps Cerca de 30 crianças entre 6 e 11 anos foram hospitalizadas na sexta-feira (24) no leste da Bolívia por possível intoxicação que se acredita ter sido causada pelo café da manhã distribuído em uma escola. O incidente ocorreu em uma escola do bairro Pampa de la Isla, na zona leste da cidade de Santa Cruz de la Sierra, a maior do país, cujos alunos receberam um laticínio e uma tangerina como lanche, disse Roberto Vargas, secretário municipal de Saúde. Leia também Tiroteio em boate na Noruega deixa ao menos dois mortos e 21 feridos Ondas de calor na Europa fazem temperaturas passar dos 40°C Messi curte aniversário em mansão de luxo com família e amigos Ao todo, 32 crianças foram atendidas em um posto de saúde "apresentando náuseas, vômitos, algumas tonturas e dores abdominais", disse Vargas. “Eles fizeram um hemograma para ver como estava o sangue, fizeram o teste de antígeno nasal, receberam hidratação, pois vomitaram muito e receberam um medicamento para impedir que seguissem vomitando”, afirmou. Dos 32 menores, 16 foram transferidos para hospitais de segundo nível "para descongestionar" o posto de saúde onde foram inicialmente encaminhados. "Todos estão conscientes, todos estão fora de perigo, não apresentam complicações, quatro receberam alta e os demais estão sob observação e hidratação", explicou Vargas. O Serviço Departamental de Saúde de Santa Cruz (Sedes) de Santa Cruz recolheu amostras da merenda escolar consumida pelas crianças e em 48 horas os resultados estarão disponíveis para determinar se a intoxicação foi ou não causada por estes alimentos, acrescentou. Vargas indicou que o mesmo lanche foi distribuído em outras escolas do município. Por sua vez, a secretária municipal de Desenvolvimento Humano, Adriana Pedraza, destacou que a prefeitura local, através de diferentes secretarias, agiu "desde o primeiro momento que tomou conhecimento" do incidente. Pedraza assegurou que também está coordenando com a Força Especial de Combate ao Crime e outras entidades para descobrir "qual foi exatamente o motivo da suposta intoxicação sofrida por essas crianças". Ela acrescentou que será investigado se os procedimentos de manipulação dos alimentos do café da manhã escolar fornecidos pelo município estão sendo rigorosamente cumpridos, desde as cadeias de frio à segurança, acrescentou. O secretário da Saúde e Desenvolvimento Humano do governo regional, Fernando Pacheco, esteve no hospital onde as crianças se encontram para tomar conhecimento do estado de saúde delas. "O tratamento continuará sendo verificado até que estejam melhores e ao mesmo tempo continuaremos investigando o motivo dessa intoxicação", disse Pacheco. 

Bolívia: 32 crianças são internadas com intoxicação alimentar em Santa Cruz de la Sierra
Leite pode ser causa da contaminação
Leite pode ser causa da contaminação Google Maps

Cerca de 30 crianças entre 6 e 11 anos foram hospitalizadas na sexta-feira (24) no leste da Bolívia por possível intoxicação que se acredita ter sido causada pelo café da manhã distribuído em uma escola.

O incidente ocorreu em uma escola do bairro Pampa de la Isla, na zona leste da cidade de Santa Cruz de la Sierra, a maior do país, cujos alunos receberam um laticínio e uma tangerina como lanche, disse Roberto Vargas, secretário municipal de Saúde.

Ao todo, 32 crianças foram atendidas em um posto de saúde "apresentando náuseas, vômitos, algumas tonturas e dores abdominais", disse Vargas. “Eles fizeram um hemograma para ver como estava o sangue, fizeram o teste de antígeno nasal, receberam hidratação, pois vomitaram muito e receberam um medicamento para impedir que seguissem vomitando”, afirmou.

Dos 32 menores, 16 foram transferidos para hospitais de segundo nível "para descongestionar" o posto de saúde onde foram inicialmente encaminhados. "Todos estão conscientes, todos estão fora de perigo, não apresentam complicações, quatro receberam alta e os demais estão sob observação e hidratação", explicou Vargas.

O Serviço Departamental de Saúde de Santa Cruz (Sedes) de Santa Cruz recolheu amostras da merenda escolar consumida pelas crianças e em 48 horas os resultados estarão disponíveis para determinar se a intoxicação foi ou não causada por estes alimentos, acrescentou.

Vargas indicou que o mesmo lanche foi distribuído em outras escolas do município.

Por sua vez, a secretária municipal de Desenvolvimento Humano, Adriana Pedraza, destacou que a prefeitura local, através de diferentes secretarias, agiu "desde o primeiro momento que tomou conhecimento" do incidente.

Pedraza assegurou que também está coordenando com a Força Especial de Combate ao Crime e outras entidades para descobrir "qual foi exatamente o motivo da suposta intoxicação sofrida por essas crianças".

Ela acrescentou que será investigado se os procedimentos de manipulação dos alimentos do café da manhã escolar fornecidos pelo município estão sendo rigorosamente cumpridos, desde as cadeias de frio à segurança, acrescentou. O secretário da Saúde e Desenvolvimento Humano do governo regional, Fernando Pacheco, esteve no hospital onde as crianças se encontram para tomar conhecimento do estado de saúde delas.

"O tratamento continuará sendo verificado até que estejam melhores e ao mesmo tempo continuaremos investigando o motivo dessa intoxicação", disse Pacheco.