Big Ben romperá silêncio para tocar no dia 31 de dezembro em Londres

Será a última vez que o Big Ben tocará através de um mecanismo temporário. No ano que vem, o sistema original, que data da era vitoriana, voltará a funcionar e o Big Ben tocará conforme o dia avança. O sino está em pausa desde o início das obras de restauração, em 2017. Fogos de artifício nas proximidades do Big Ben durante festa de Ano Novo em Londres, Reino Unido. REUTERS/Suzanne Plunkett O Big Ben, como é chamado o relógio da torre do Parlamento britânico, sairá do seu silêncio na véspera do Ano Novo, meses antes de recuperar seu mecanismo original. Após quatro anos de trabalho de restauração, o famoso sino de 13,7 toneladas tocará 12 vezes, à meia-noite de 31 de dezembro, anunciando a entrada em 2022.  Essa será a última vez que o Big Ben tocará através de um mecanismo temporário, indicaram os serviços do Parlamento britânico. A partir da primavera do Hemisfério Norte, o sistema original, que data da era vitoriana, voltará a funcionar e o Big Ben tocará conforme o dia avança. O sino está em pausa desde o início das obras de restauração, em 2017. A Elizabeth Tower e o Big Ben em foto de 2016 Reuters "É provavelmente o relógio mais famoso do mundo e ter todas as porcas e parafusos em nossas mãos é um grande privilégio", disse Ian Westworth, um dos membros da equipe relojoeira especializada do Parlamento. "Vai ser muito emocionante quando tudo isso acabar. Haverá tristeza porque o projeto acaba, mas alegria por tê-lo restaurado e por tudo voltar a funcionar", acrescentou. A Torre de Elizabeth, como é oficialmente chamada em homenagem à Rainha Elizabeth II e cuja construção terminou em 1859, está sendo restaurada e os britânicos poderão ver seus quadrantes, atualmente escondidos por andaimes, pela primeira vez nos últimos quatro anos. Apesar do entusiasmo com as badaladas do Big Ben no próximo 31 de dezembro, o público não poderá aproveitar da tradicional festa que costumava levar cerca de 100 mil pessoas às margens do rio Tâmisa todos os anos. O show de fogos de artifício no coração de Londres foi cancelado pela segunda vez consecutiva, devido à pandemia do coronavírus.

Big Ben romperá silêncio para tocar no dia 31 de dezembro em Londres

Será a última vez que o Big Ben tocará através de um mecanismo temporário. No ano que vem, o sistema original, que data da era vitoriana, voltará a funcionar e o Big Ben tocará conforme o dia avança. O sino está em pausa desde o início das obras de restauração, em 2017. Fogos de artifício nas proximidades do Big Ben durante festa de Ano Novo em Londres, Reino Unido. REUTERS/Suzanne Plunkett O Big Ben, como é chamado o relógio da torre do Parlamento britânico, sairá do seu silêncio na véspera do Ano Novo, meses antes de recuperar seu mecanismo original. Após quatro anos de trabalho de restauração, o famoso sino de 13,7 toneladas tocará 12 vezes, à meia-noite de 31 de dezembro, anunciando a entrada em 2022.  Essa será a última vez que o Big Ben tocará através de um mecanismo temporário, indicaram os serviços do Parlamento britânico. A partir da primavera do Hemisfério Norte, o sistema original, que data da era vitoriana, voltará a funcionar e o Big Ben tocará conforme o dia avança. O sino está em pausa desde o início das obras de restauração, em 2017. A Elizabeth Tower e o Big Ben em foto de 2016 Reuters "É provavelmente o relógio mais famoso do mundo e ter todas as porcas e parafusos em nossas mãos é um grande privilégio", disse Ian Westworth, um dos membros da equipe relojoeira especializada do Parlamento. "Vai ser muito emocionante quando tudo isso acabar. Haverá tristeza porque o projeto acaba, mas alegria por tê-lo restaurado e por tudo voltar a funcionar", acrescentou. A Torre de Elizabeth, como é oficialmente chamada em homenagem à Rainha Elizabeth II e cuja construção terminou em 1859, está sendo restaurada e os britânicos poderão ver seus quadrantes, atualmente escondidos por andaimes, pela primeira vez nos últimos quatro anos. Apesar do entusiasmo com as badaladas do Big Ben no próximo 31 de dezembro, o público não poderá aproveitar da tradicional festa que costumava levar cerca de 100 mil pessoas às margens do rio Tâmisa todos os anos. O show de fogos de artifício no coração de Londres foi cancelado pela segunda vez consecutiva, devido à pandemia do coronavírus.